terça-feira, 27 de maio de 2008

banlieue*

há coisas tão boas que se sentem com o sabor do pecado.

sabe a pecado perceber que nos visualizamos a viver ali ou ali. sem dificuldade, acreditamos que simplesmente podíamos ir ficando, por um enquanto indefinido. derrete-se a língua nova na boca, sabe-se que se vira à esquerda e o rio é já ali, que é tão fácil criar raízes entre bancas de roupa vintage. as rotinas são coisas que nascem espontaneamente, o café preferido e o sítio onde comprar a baguette, o restaurante japonês barato, o mercado de rua e o supermercado do leite bom. de repente já são nossos, dados adquiridos como saber que descendo aqui a rua vai dar à tasca onde o vizinho dispensa um pão ao domingo à noite.
gosto de não precisar de um carro para nada. gosto de poder ir a pé ou de bicicleta, do é já ali sem cansaço, gosto de ter transportes para todo o lado, de o passe ser barato e dar para tudo a toda a hora, de a comida ser barata, de os jardins serem para todos e de haver muitos jardins, de se poder pisar a relva, de haver arte no meio da rua, de ver artesanato a torto a direito, e de poder comprar um comprimido para as dores de cabeça ou para as alergias às 11 da noite já na esquina.

o pecado é a rapidez com que tudo se nos entranha. é o nariz no ar a ver que até dava para trabalhar ali ou acolá. fazer as contas e pensar... se tantos conseguem...
é pecado, sim, pensar seriamente que se calhar perdia-se era o amor ao dinheiro já gasto no bilhete de regresso e pairava-se por ali, a duas horas e vinte dos dois pólos dos nossos novos mundos que os passos já conhecem de cor.

é um planisfério pessoal que se desenha a sorrisos. a única dor é nos pés, de 5 quilómetros diários feitos meio de passeio, meio de descoberta.

segue-se a ressaca do regresso, há sempre que pagar a factura do querer.
atenua-se com algum trabalho e o aconchego de ter a certeza - tão absoluta - de que se estou contigo estou bem.
onde quer que seja.

*subúrbio - em francês deriva de "lugar dos banidos". e as notícias mostram-me cada dia mais sentidos nesta palavra quando aplicada de uma forma geral a este pequeno rectângulo à beira-mar plantado...

domingo, 11 de maio de 2008

banho de cultura



vou ali tomar um banho de cultura e já volto...

:)

sexta-feira, 2 de maio de 2008

senhora directora

de um dia para o outro, a uma semana de desaparecer por uns tempos, vira-se-me a vida do avesso. quando pensava que tinha uma semana de descanso, para preparativos, entregas de IRS e dormir o dia todo... pam!
de novo os bonecos. e agora, a gerir os dois lados da barricada.

é no que dá um "padrinho" que tem uma fé cega no meu talento e me recomenda a torto e a direito, salvaguardando:"achas que dei o teu nome só porque és gira?"
e é no que dá um namorido que tem um poder, o tal do tão afamado secret. que quando digo que se calhar não passei no casting de voz porque estou enferrujada, me responde que até vou progredir na carreira. que me vai levar de uns lados para os outros "porque de mota é mais rápido", abdicando de merecidas horas de descanso até no próprio dia de anos. e que está ali à minha espera com um lanche de leite fresco e pão com tulicreme para me acalmar do dia inacreditável que foi este...

a minha vida é muito bonita. podia era ser menos intempestiva, bolas. pedir licença não custa...

mas é tão bonita... :)