quinta-feira, 29 de novembro de 2007

auto-dedicação


foto de espanta-espíritos

para mim, aos meus fantasmas de bolso, com banda sonora ou silêncios, sem dúvida em fôlegos apertados. caminhadas na minha cidade de vento frio a baralhar-me o cabelo. as imagens escorrem apesar de não serem chamadas. simplesmente estão lá. vivas, de bocas riscadas para baixo e palavras amealhadas em meias ilusões que almofadam a queda. é tempo. é tempo de as agarrar com os dedos e ignorar punhos cerrados. para que as sinta sem me magoar. para que não me esqueça. mas para que repouse. servir a gosto.

mudemos de casa; porque é preciso
arrumar as dores de outra maneira,
certificarmo-nos da existência do corpo
em novos lençóis, voltar a ter ilusões,
lugar propício para a curiosidade
de alguns que nos fazem acreditar
que a vida é um amplo anfiteatro
para as mãos.

jorge gomes miranda

agradeço à lebre e à menina limão, que me ajudaram a arrumar as ideias.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

the extra

pediram-me que escrevesse, e escrevi. afeiçoei-me ao senhor e foi com um gostinho adocicado na boca que soube que ele tinha conseguido levar a sua avante e que os meus dedos tinham dado um pequeno contributo para isso. depois fugi, como se sabe, dos dias cinzentos, à procura de luz e de pinturas que me devolvessem a cor à cara. não sei por quanto tempo, mas isso agora não interessa à conversa.
há pouco tempo inscrevi-me numa nova agência, onde trabalha uma colega minha.
"procuramos actriz entre 20 e 30 anos, sem madeixas" - não se vê logo que sou eu?
conhecendo a minha história, não hesitou em ligar-me: há aqui a hipótese de uma participação pequena no filme do teu amigo. o cachet é uma merda. queres?

por acaso até quero. se andei com o bebé ao colo, agora, se posso, quero ajudá-lo a andar.

fui, assim, conhecer o glamoroso mundo do cinema. num ambiente bastante aconchegado, ou não conhecesse eu mais de metade da equipa. incluindo os senhores do topo. todos acharam imensa graça a eu ter caído lá de pára-quedas. a nos reencontrarmos assim. tão gira que estás, minha querida. eu pacientemente à espera durante horas, de cabelo apanhado em complicadas tranças, vestida de criada madeirense de finais do século dezanove, rendinhas na cabeça e tudo, a tentar aquecer-me num alpendre em Sintra, com o meu livrinho nas mãos. quando o sol se começou a finar é que se lembraram que tinham uma cena de exteriores para gravar. e pronto, lá fui eu receber os meus patrõezinhos. a bater os pés entre "cortas" porque deixei de os sentir com o frio.
foi dia de burros, cavalos brancos e ratazanas domésticas que também eram meus colegas figurantes.

dentro de alguns dias, volto lá, para gravar uma cena pequena, com falas.

e a modos que é isto.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

flippers

dá aqui, leva do outro lado, o que importa é não parar, não pares, senão perdemos o jogo e por isso agora toma lá mais porrada, tens de ir para cima, para a esquerda, não, não é essa esquerda é a outra, oh mas será que não percebes nada do que te digo, foda-se? e sim agora quero que deslizes devagar, mais devagar, porque tenho de te dar a traulitada na altura certa, és uma bolinha tão fixe, tás mesmo a jeito vá lá vá lá vá vá tá quase e... toma! agora vai lá, desvia-te da luz e entra lá ao fundo, naquele túnel. não, não percebes o bónus é se fores para ali, merda. mas que coisa, é preciso dar-te mais porrada para fazeres o que eu quero? plim plim plim, sim senhora, agora sim, desvia-te... mais... para... ali! toma, vá caraças, que merda, anda lá com isso, tenho mais que fazer que ficar à espera que acumules os pontos... parece que nunca sabes qual é o teu lugar. vá, mais uma, para ali, tás quase, pimba! eheheh rebola aí que eu gosto. espera, não! calma, se te der um safanão agora... oh. perdi o jogo. a culpa é tua.

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

transições

daqui



para aqui


imagens de espanta-espíritos

terça-feira, 6 de novembro de 2007

3

parabéns, namorido :)