quinta-feira, 31 de maio de 2007

raiva

há em mim dias de raiva em que sinto tanto e tão forte que fico assim com o peito como que entupido. de tal forma que não consigo dizer nada. assisto impávida. a banda a passar por mim mas a música não me chega.
a dor escava-me em silêncio. a invisibilidade não é um super-poder.
nestes momentos, entre um cigarro e outro, entre a vontade de desabar ou de partir tudo à minha volta, de berrar a plenos pulmões o que está por dizer ou simplesmente desaparecer, fico apenas assim, quieta, cara fechada, sentidos fechados.

com medo que algo me toque e eu desafine.

"amanhã não vais ter outro encanto"

terça-feira, 29 de maio de 2007

do STJ

vamos lá ver se percebi. um homem tentou manter contactos sexuais com 4 rapazes. com outro, só chegou à conversa do "fazia-te e acontecia-te". conseguir, conseguir, foi com um miúdo de 13 anos, lá para o lado das Beiras.
foi apanhado, preso e julgado. condenado a essa eternidade que são 7 anos e meio de prisão. ora tanto recorreu da sentença que o nosso mui nobre Supremo Tribunal de Justiça resolveu atenuar-lhe a pena.
porque era uma criança de 13 anos e, vá, já é capaz de ter erecções.
porque tinha 13 anos e não 3 ou 4, e violar uns e outros não é beeeem violar assim tal e qual. vá, é abusar. assim da confiança. com mais ou menos roupa, isso não interessa. não lhe bateu, não é?
porque o senhor, coitadinho, já sofreu o suficiente com a estigmatização de violador de crianças e papão e essas coisas feias e que marcam uma pessoa, porque não é agradável quando falam mal de nós, e portanto, vá,vamos deixar o senhor ir dois anos e meio mais cedo para casa, para o pé de outros meninos de 13 anos que, vá, até têm corpinho de 14 portanto não se queixem.

diria alguém mais distraído: uma criança de 13 anos é uma criança. não? eu era. aos 13 anos era uma criança. vejam lá que até nem tinha maminhas. será que isso pesa na decisão do Supremo? se já tem maminhas ou pelos nas pernas?

por esta ordem de ideias, uma mulher que seja violada, vamos a ver... se é capaz de aguentar a depilação com cera é porque tem corpinho para aguentar uma violaçãozita. nem violação é, porque uma mulher é isso mesmo, já está desenvolvida, e até é capaz de ter orgasmos. se fizer um esforcito, até é capaz de gostar.

é a estes senhores que recorremos quando já tudo falhou. a última esperança para que se reponha justiça. mas só se formos violadores.

"um juiz não tem de ser asséptico", diziam hoje no jornal. pois não. a criancinha é que convém que esteja bem lavadinha, para uso pessoal do senhor juiz.
porque ninguém me tira da cabeça que um painel de excelsos senhores que decide que um violador é menos violador consoante a capacidade para erecções de uma criança [será que testaram o menino?, só para ter a certeza?] tem os seus próprios meninos no armário.
deve fazer muito calor debaixo daquelas togas.

não espero que compreendam as minhas razões muito pessoais para achar que no que toca a violadores era acabar com eles na hora. dentro da nossa realidade jurídica, limito-me a achar que as penas são demasiado leves. mas há quem lute para as tornar ainda mais irrisórias.

como li algures... pode-se dizer foda-se num blog? já disse. foda-se!

dark motives

desde que esta empresa produziu a última peça que há muita gente a enviar currículos, a oferecer os seus serviços, a, vá, pedir trabalho.
a menina aqui, encarregue do e-mail geral, é que os recebe a todos. e como sabe o que custa não ter resposta, vai respondendo aquelas coisas nem-carne-nem-peixe: de momento não estamos à procura mas se surgir essa necessidade eporaífora...

bem, o que eu queria mesmo dizer era "pela tua saúde mental e financeira, pela tua capacidade intelectual, pela tua auto-estima, pela necessidade básica de comer que todos temos, agarra-te aos neurónios e foge! que nunca ninguém venha a saber que querias trabalhar aqui." mas não dá jeito...

ora... hoje recebo um mail de um actor. como sempre, vou espreitar o cv, ver se o conheço. o que descubro acerca das habilitações e percurso desta pessoa leva-me a responder o seguinte:

"se viermos a necessitar de actores pessoas na sua área, o seu currículo será tido em conta."

eu sei, sou uma menina má. mas já estou tão cansada...

segunda-feira, 28 de maio de 2007

para bom encenador...

há uns dias o patrão-produtor deu-me para ler um texto e dizer-lhe o que achava. eu li e disse, o mais polidamente que consegui, que aquilo, pronto, vá, não tinha muita acção e que não estava bem a ver como poderia encenar-se um mono-diálogo muito mortiço em que se conta em vez de se fazer...
mas isto sou eu, não é? como a opinião não era grande coisa e o autor é amigo do patrão, deixou de interessar.

portanto vá de dar o texto ao especialista: o patrão encenador.
ele às tantas pergunta-me:
- tu leste isto?
- li. o Porthos pediu-me para lhe dar uma opinião.
- e o que é que lhe disseste?
- o que é que achas?
gargalhada

entra o Porthos
- então, o que é que achaste do texto?
- olha, só vejo uma maneira de encenar isto. divides o palco em dois. de um dos lados pões os gajos a falar. do outro metes mulheres nuas.

sexta-feira, 25 de maio de 2007

pipocas?!

esta noite fui ao cinema. ver um filme que não interessa ao caso. nem interessa de maneira nenhuma. adiante.
chego cedo, estão a começar os anúncios. subo quase até lá acima para encontrar uma fila vazia. quando a percorro para me sentar o mais ao centro possível, reparo que está uma senhora na fila de cima com os pés descalços - em alvas peúgas - assentes nas costas da cadeira. ignoro-a e sento-me. ela fica ofendida por lhe ter abanado o encosto para os pés e muda de lugar mais o seu querido.
acomodo-me e fico à espera do filme.
o filme começa e quando ainda estamos a decorar o nome das personagens, vejo um senhor sozinho a subir pela coxia à procura de lugar. achou que na minha fila é que se estava bem, sentou-se a uma cadeira de mim. trazia um gelado, que ia comendo sem fazer grande barulho. o filme tinha partes com graça, e ele lá se ria e dizia baixinho "ai, ele agora esteve bem" e batia na perna. mas dizia baixinho e eu tudo bem. lá para o meio do filme, aquilo engonha um bocado e começam os silêncios. penso que agora ou se dá um bom twist ou um twist à típico filme americano - que era o caso - e entre o som das minhas cogitações e das vozes dos actores, surge um outro som peculiar. de chupar qualquer coisa. com muita saliva e pequenos estalinhos. penso "mas o velho ainda estará a chuchar o pau do gelado...?!". ignoro. não ignoraria se estivesse a alguém falar com alguém, a falar ao telemóvel depois de o deixar tocar alarvemente, a comer de boca aberta, ou aos pontapés à minha cadeira - coisas corriqueiras com que embirro mas que não estavam a acontecer, nesta noite em particular, à minha volta.
o que estava a acontecer era a subida de volume dos "chups chups" do senhor. até que olho para o lado. no preciso momento em que ele está a tirar a cremalheira de dentro da boca e a passeá-la pelo ar. rebolei-me toda ali [em silêncio], mas ele não deve ter reparado que reparei e continuou a meter e a tirar o estupor da placa da boca. tossiquei. ele lá meteu aquilo para dentro, mas continuou com uns discretos "chups chups" filme afora. até chegar à penúltima cena e sair, antes de acabar o filme.

o mundo está de pernas para o ar, de peúgas brancas, a tirar próteses dentárias da boca.
as pessoas queixam-se... das pipocas?!

quinta-feira, 24 de maio de 2007

olha! olha!


[ph.t. | espanta-espíritos]

vai uma pessoa, cansada de um dia de trabalho e uma dose de dobragens nocturnas, ao supermercado... sendo essa pessoa alguém que não sai muito, aproveita-se sempre para dar uma voltinha a ver se se encontram pechinchas. eis senão quando - oh surpresa! -, na zona dos brinquedos, se dá de caras com uma pilha de caixinhas coloridas, qual instalação, com uma pista e, no centro um televisor que passa imagens [demasiado] familiares.
estão a vender - e passo a citar - "os carros dos teus personagens de tv favoritos!!" [assim, com muito ponto de exclamação]. ora claro que uma pessoa desata aos saltos no meio do corredor, a soltar exclamações em japonês e falar numa linguagem técnica que só o seu interlocutor percebe.
"sukéé*! o saber! ah, e ali está o spin axe! mas espera, não têm o beat magnum? epá, e não vendem os motores de torque em separado? será que têm o G.P.Chip e carroçaria ZMC? mas olha ali o sonic!"

isto ser doença no Japão, com adultos vestidos de personagens de desenhos animados com calções brancos e fitas na testa ainda vá. agora encontrar este mundinho ali no Carrefour de Loures...

conclusão: vai a pessoa ao corredor do pão com um sorriso [literalmente] de leste a oeste e uma das tais caixinhas devotamente apertada contra o peito, observada por quem passa com a estranheza habitual de quem pensa "mas não é suposto ser o gajo da relação a gostar de carrinhos...?"
não, senhores... porque EU é que sou o Gou! e EU é que tenho um Cyclone Magnum! tá bem?

ora foi ir para casa, comer a correr e vai de montar o carro nas suas ínfimas pecinhas muito à japonês, arranjar umas pilhas, colar os autocolantes [muito traquejo dos tempos da Barbie] e zás! corridas no hall de entrada! com uma almofadinha à frente dos pés porque o sacana do carro anda na bisga... e voltaram a ouvir-se, noite dentro, expressões de um mundo altamente secreto:
- Sá! Lédi..... Go!
- Iké Mágnum!
- Sukéééé!
- Nani?
- Páua busta!
- Ike gueguessu!
- Dji pi chip... **

antes de se arrumar o novo brinquedo na estante, como um diz mata e o outro diz esfola, vai de chamar a gata com bons modos, esperar que ela se sente com ar de parva no meio do hall de entrada e soltar-lhe o magnum... aquilo é que foi vê-la fazer exercício para um mês... eheheh...

*fonética do japonês para "fixe"
** japonês para: "Então! ready, go!, "força Magnum!", "Fixe!", "o quê?", "power booster", "força!", e "G.P. Chip"

segunda-feira, 21 de maio de 2007

"se fosse...

uma cidade, seria..." era como começava um "exercício" que costumávamos fazer num certo bar com cheiro a palco, noites fora. veio ter comigo sob a forma de desafio da pinky. tarde mas não falham, aqui estão as respostas.

hora do dia | um início de noite em dia de verão [que sabe a longo, morno e pleno]
astro | lua
direcção | onde o dedo calhar no mapa
móvel | algum móvel bem disposto desenhado por mim :)
líquido | água para mergulhar e vinho tinto para vaguear
pecado | todos e cada um, em pequenas doses de insanidade. sou uma pessoa, não um sacrossanto tupperware.
pedra | uma pedra do fundo do rio, polida e encontrada pelo acaso
árvore | o pomar todo, com perfume de limões e maçãs. e com um plátano da minha infância.
fruta | morango. com chocolate quente... [se calhar é melhor começar a repensar aquilo dos pecados eheh]
flor | papoila para a melancolia, girassol para as gargalhadas
clima | morno e temperado. que dê para andar de vestido.
instrumento musical | nunca conseguiria optar entre piano, guitarra, sax ou bateria
elemento | diz que é o fogo, diz que sim
cor | azul intenso, o da parede do meu quarto
animal | cavalo
som | o riso. para o bem e para o mal.
música | já alguma vez disse que a minha vida é um enorme e eclético musical?
estilo musical | talvez o jazz, talvez swing, talvez...
sentimento | paixão
livro | disseram-me [há muitos anos] que seria um do Rui Zink. agora ando mais Rodrigo Guedes de Carvalho. depende das tais luas.
comida | massonga! mas com direito a sobremesa.
lugar | onde quer que esteja aquele abraço... mas vá: um certo e determinado quarto de hotel numa certa e determinada água furtada de certa e determinada cidade onde se fala francês...
gosto | doce!
cheiro | a pele, depois de fazer amor. a palco, quando posso lá viver
palavra | te-a-tro
verbo | viver
objecto | podia dizer o meu anel mas... seria o meu estojinho de aguarelas
peça de roupa | com um simples vestido preto... :)
parte do corpo | olhos. e boca. os dois em mim funcionam como um só
expressão facial | sorriso. tem de ser
desenho animado | aieeee... só um? pronto, processa-me, pinky, mas eu tenho uma secreta tara pelo mau feitio e pela sensualidade obscura e saltitante da fada sininho ;)
um filme | qualquer coisa simples, de argumento rico e grandes actores, com um toque obrigatório de sotaque e humor britânico
forma | de S
número | já fui o 23. agora não sei. eu sou mais de letras
estação | do ano? primavera . de partir ou ficar? uma de comboio no meio do nada.
frase | "nobody expects the spanish inquisition"

era suposto passar a outras pessoas. mas fica aqui para quem quiser vir "pescar", com a condição de que me avisam para eu ir cuscar.

sexta-feira, 18 de maio de 2007

pelo amor da santa

domingo, 13 de maio... algures no subúrbio


se quiserem mesmo saber, é só clicar na imagem... boa sorte...


ps: peço desculpa pela pouca actualidade do post. as ideias chegam a tempo, o tempo é que não...

segunda-feira, 14 de maio de 2007

curta

patrão entra na sala, pergunta se eu tenho um adaptador para jacks.

respondo que não, que sou uma rapariga séria. e que os únicos cabos que havia estavam numa caixa em cima da mesa dele.

patrão sai, ouvindo-se ainda um "parece que não tenho cá nada..."

patrão entra passados uns segundos. dirige-se à mesa dele, de onde tira um cabo com cara de ter adaptadores de jacks.

sai a cantar a versão bissilábica do "Indiana Jones", como em tatarata-tataraaa.

eu quase que lhe vejo o chapéu a nascer dos caracóis, os suspensórios a transformarem-se num sexy casaco de cabedal suado e o cabo a transformar-se em chicote.

sexta-feira, 11 de maio de 2007

diva [gações]*








desenhos [ou, vá, esboços] de polegar

*ou... vontade de bater com a porta em grande estilo, tempo livre e uma caneta...

quarta-feira, 9 de maio de 2007

libelinhas


[foto extraordinária de espanta_espíritos | artwork polegar]


numa peça que nunca chegou a ser, eu era uma libelinha. e cantava.

libelinha ajeita as asas
põe as asas no ar
libelinha, alinha alinha
que o vento vai passar

terça-feira, 8 de maio de 2007

a náusea

imaginemos, vá lá, um esforcinho, que o mundo está podre e queremos falar disso. passar o aviso. para o tornar explícito e apelativo, os recursos são variados: um microfone, palavras, música, dança, imagens.
simples.


agora o que é que pode correr mal? hum...
fazer-se poemas de intervenção com frases tão geniais como “porra! é porreiro!” [sic] e declamá-los aos berros, sem sentido de tempo ou decibeis. enquanto dois senhores fardados de pintores-das-obras-simbolizando-o-cataclismo, com uma máscara como convém, tocam – cada um para o seu lado e sem qualquer objectivo melódico ou harmónico – percussão e violoncelo. emoldurados por uma tela que vai passando imagens de uma moça de peruca loira desgrenhada a lamber a montra de um talho, onde repousa a cabeça de um porco [porco esse que deve estar a rebolar na tumba. ou no estômago de alguém.] mas estamos a afastar-nos do tema. falta a piéce de résistance e com essa é bom que tenhamos cuidado. largue-se duas gaiatas de calças largas e wife beaters a rebolar-se à beira do palco, a atirar-se ao chão, contra as paredes e uma contra a outra. fazendo o público arredar-se cautelosamente do pretendido “diálogo de convergência artística” para “reflexão poética e crítica” [duplo sic], não vá um desses “temas pertinentes do quotidiano” [sic] cair-lhe em cima ou vazar-lhe uma vista. seria talvez uma demasiado dura “projecção do sonho sobre a realidade” [sic]. porque o público deve “absorver de olhos vidrados” [sic], mas à devida distância do altar intelectual e moral de onde emana a sacrossanta sabedoria quase divina – não fosse um dos messias chamar-se Jota Cê. e no que toca ao Jota Cê, há que ter respeitinho.


pergunte-se agora porque é que quando se fala de artistas, 80% dos tugas torce o apêndice nasal ou opina que artista é o Quim Barreiros.

porque essa gente – o público – é inculto. é uma cambada de pobrezinhos de espírito, a quem a poesia declamada não diz grande coisa, que não compreendem dança moderna e que tem umas noções muito vagas do que será música e de como parece uma imagem. e que, perante uma tão explícita explicação [passo a redundância] da podridão do mundo, não percebe, não percebe. a angústia.

bem, queriam fazer o público pensar, não era?... conseguiram. não estariam era, por certo, a querer forçosamente que este público partilhasse da visão deles. pelo menos no que toca a metodologias para a eficiência da comunicação pela arte.

suspiro... nestas alturas chego a compreender os Gervásios.

este texto não é pura ficção e inspira-se numa... errr... hum... performance que a Associação Cultural [dêem-me dois segundinhos para me rir à maluca] Conflito Estético levou a palco no MusicBox no passado sábado, num momento único e epifânico da minha vida, enquanto [desesp]esperava pelo concerto de Norton, que, graças a tão elaborada preparação e apresentação, atrasou em, vá lá, uma hora e meia. e eu sóbria.
resta dar os louros a quem os merece [qual povo madeirense tem o Alberto João que merece]: esta é a segunda performance desta associação e têm-nas levado [às performances] em digressão pelo país. é uma ideia original dos "mentores" [sic] poetas e declamadores Sara Évora Ferreira e J.C. Jerónimo.

sábado, 5 de maio de 2007

bem-me-queres



confessar baixinho o soluço. é difícil perder-me do que me aperta. respirar. azul. o diálogo é um tesouro desprendido. mesmo que se fale em silêncio.
por vezes articula-se melhor com a pele da ponta dos dedos, o arredondamento dos olhos, o restolhar das pestanas.


[ph.t. | espanta-espíritos]

redoma. uma cama que amansa, cobre, envolve e torna transparente - sem possessivo.
o vento dos movimentos entorpece a vontade, sussurra que não vás. e espera-se.



pôr-me em perspectiva. estou. estás. estamos. ali. aqui. raiz. onde?

cheira a lume. já é noite. é. hoje a música é o silêncio.

dancemos.

abraça-me.