terça-feira, 30 de novembro de 2004

#1

igual a todos os últimos. vai ser amarelento.
por causa dos sorrisos amarelos. do peso e da lentidão.
talvez vista umas calças novas.
era sempre giro. mas não. agora não.
as caras que se distorcem e contorcem para me sorrir numa palmadinha nas costas, entre fogo falso, e ideias deturpadas do que é a alegria dos outros. faz de conta. hoje também? sim. faz-nos rir, fazes? faço. assim está bem?
sopra...
o vento passa, o tempo passa. há-de ser diferente.
hei-de ser eu.

segunda-feira, 29 de novembro de 2004

fundi o chip

às vezes não sei porquê começo a pensar na vida... como é normal, só pode sair merda, não é?

comecei a pensar muito a sério neste blog. para que é que serve? para nada, basicamente... isto parece os sermões do outro aos peixes... ou uma viagem ao meu umbigo...
estou para aqui com as minhas so-called crónicas de rotina... ou dores crónicas, ou cólicas da rotina...
mas, let's face it... não tenho grande poesia. não sei falar por metáforas. não tenho histórias interessantes para contar. não tenho uma acutilância ou ironia daquelas que dá gosto ler. desisti de saber os nomes dos políticos. não vejo a quinta das celebridades. tenho uma vidinha daquelas que não interessa ao menino Jesus...
é uma vida, como tantas outras.
que contributo presto aqui a quem me lê? sim, tu, ó pessoa...
não presto, não é?

um dia páro de escrever aqui.

gaveta

(de)parei nesta frase.

"Cada beijo redondo, cada promessa de amor eterno, cada riso excêntrico, valem bem cada gaveta da minha mesinha de cabeceira."

e lembrei-me que às vezes o local para se guardar um tesouro é um tesouro em si...

prenda de anos

ainda não fiz anos, mas este ano a prenda veio antes do dia...

qual foi a última vez que experimentaram olhar profundamente nos olhos de um desconhecido?
abrir-lhe o coração só porque sim, sem uma palavra... só de o olhar.
e contar a nossa história sem abrir a boca, e conhecer a história dessa pessoa sem um som...
e dar conosco com lágrimas a rolar cara abaixo. porquê? não sei.
emoção, só.
e os olhos das pessoas são tão bonitos quanto diferentes e plenos de vida e carinho.

este foi o primeiro exercício do "workshop" (não gosto de lhe chamar assim, foi... uma "vivência") que consegui convencer a minha família a oferecer-me... como prenda de anos e Natal... da próxima década...
chegou hoje ao fim.

dizem-me que de cada vez que ia para lá, ia encher o peito de sorrisos.

e era verdade.
foi uma experiência maravilhosa.
chorei todos os dias, faz parte do processo. porque ali a entrega é total, não há medo ou auto-censura. só simplicidade, generosidade, abertura e confiança.
em pessoas que se calhar nem temos a certeza do nome.

e sinto que cresci.
obrigada.

"Cada ser tem sonhos a sua maneira"

domingo, 28 de novembro de 2004

A de A tipo 2

pois acontece que eu tenho gatos...
dentro de casa, fora de casa... e nos pulmões...
sim, tenho asma
sim, sou fumadora.
sim, já sei, já sei...
uma simples constipação neste meu corpito degenera sempre numa garraiada de gatos a miar... os pulmões parece que mingam... e o ar parece que não quer entrar... ó amigo, preciso de oxigénio, não fuja!
ando a xarope, porque não posso tomar bombas (daria em algo como um A de A tipo 1... pois...)
adoro ser "doentinha"... já não me bastava ter 1,58m, ser pobre e morar longe!

mas o que tem piada são os meus colegas (queridos, tão amorosos) aflitos com as minhas travadinhas de tísica (Eça de Queirós Revisited)...
eu bem lhes tentei explicar que não há copinho de água que resulte... à pala deles, já me tinham nascido guelras... eheheh

e ainda me dizem: "para asmática, tens muita pica!".
então n'ávera de ter?
miauuuuu

P.S.: Há dois dias que não fumo... quero um cigarroooooooooooo

quinta-feira, 25 de novembro de 2004

A de A

dores fortes e contínuas nos músculos do ombro e peito do lado esquerdo.
sensação de pulsação fraca ou desregulada.
tonturas e ligeira náusea.
fraqueza e prostração.
peso no peito.
respiração ofegante mas fraca.
pontadas ocasionais no peito.
descargas de adrenalina, em que o corpo todo treme descontrolado.
eventualidade de começar a ficar com o braço esquerdo dormente (esta então é particularmente simpática).

sensação de que qualquer que seja a posição em que se ponha o corpo, aquilo não passa.
sensação de pânico.
sensação de que se vai morrer já ali.

basicamente são também sintomas de enfarte...
mas é um Ataque de Ansiedade. distingui-los é obra, mas já tou farta de chatear os médicos das urgências... (se calhar um dia é a história do Pedro e o Lobo, mas pronto)

cura? na cabeça, dizem.
mas entretanto, Cloxans ou a alternativa da ervanária, Fórmula 137.
comer bem, a horas, domir tudo o que se precisa de forma continuada, parar com a nicotina e cafeína, tomar Valdisperts (ahahah, esta é para rir) para dormir.

ter motivação, esperança e estabilidade também dá jeito.
mas o stock tá em falta.

terça-feira, 23 de novembro de 2004

mundo paralelo

há muitos mundos paralelos ao mundo. eu vivo num deles.

esse mundo cheira a madeiras, tintas, colas, cigarros, velas, maquilhagens, roupas, naftalinas, cordas, e a algo que não se sabe bem o que é... acho que cheira a espíritos...
porque ali anda gente que se materializa em corpos emprestados.
saem de uma cabeça para viver num papel até poderem transferir-se para um corpo. que os recebe. que cria os seus outros mundos. que lhes dá uma casa, uma voz, um sorrir, um andar, um pensar.
e esses espíritos apoderam-se de nós. e batalhamos para contar as suas histórias, e as suas histórias fazem-nos viver mil vezes, e chorar, e rir, e andar de formas que não são nossas.
falo num "nós", porque este mundo é sempre colectivo. é sempre fruto de muitas mãos, muitos suores, muitas dores, muitas olheiras. e não existe sem eles.

é obra... implica entrega. incondicional. implica trabalho redobrado. horas de sono que não se dormem. investimento. emocional, também. e quem pisa o palco também pode acender a luz na cara do colega, varrer as casas de banho e pintar, e coser, e ir comprar bolos à padaria de madrugada porque a malta tem fome e não há nada aberto. trazer um simples abraço para combater o desânimo. trazer um cd porque é a banda sonora perfeita daquela história... e adrenalina, toda. a qual só percebemos e conhecemos inteiramente ali. teorizar sobre não vale a pena. e da qual só nos rimos muuuuito depois...

este mundo cruza muitos mundos. imaginários e bem reais. e desse cruzamento nascem outros. voam, materializam-se, para depois rebentar. fica no ar o cheiro. fica na pele a emoção. ficam na cabeça os negativos. fica na boca o "gostinho de quero mais". fica no sangue o bicho...

sacana do bicho... eu devia estar a ganhar dinheiro, raios...


segunda-feira, 22 de novembro de 2004

Quarto virado a norte

durmo enroscada num edredon espesso, com uma manta polar por cima.
estou a tentar curar os músculos do ombro esquerdo, cansados de carregar a mala e as ansiedades. como durmo de lado, tenho de me tentar virar para a direita. (não, isto não é uma metáfora política, são ordens do doutor).
detesto usar meias para dormir, mas os pés teimam em não aquecer.
mantenho as mãos fechadas, debaixo do pescoço ou da almofada.
uso pijamas de mangas compridas e calças, de materiais fofos e quentes.
tenho um recuperador de calor supra-sumo no quarto.
tapo-me de tal maneira que tenho de escavar um túnel para meter o nariz de fora.
aninho-me, enrosco-me, afundo-me nas 4 almofadas macias.
mesmo assim tenho frio.

Goodnight dear void

I'm not words anymore. I'm me, but I'm not there.
That's why these fragments will never tell the difference
between what fell on the floor and what hit me.
Sometimes pain is just pain
sometimes pain is just me
sometimes I'm just a smile
sometimes I can't be me.
I wish I could I wish I could I wish I could
Take care of me.

sábado, 20 de novembro de 2004

nikey ou a loira

lembro-me de estar a dormir e a nossa mãe, com a sua barrigona, me acordar e dizer-me que está na hora. lembro-me que devia estar frio, porque me atafulhei de casacos e cachecóis. dizem que com olhar de pânico tratei de pôr as tuas roupinhas numa mala, mas só me lembro de sair com um único objecto: um anjinho. em casa da avó, dormi com ela, no quartinho da alegria, e rezámos ao anjinho para nasceres bem.
passámos um infância tramada. entre ataques de asma, pontapés, barbies, mordidelas e pazes forçadas. mas acho que chegámos a um acordo...
e cá estás... 19 anos depois... com os teus caracóis loiros que sempre foram a minha perdição e orgulho. magrinha, nervosa, com esse sorriso maravilhoso que, por muito "castor" que te chamem, eu acho do maior charme. e cheia de poesia, esta menina...
cheia de sonhos, mas com ainda mais medos. menina... sonha, sonha. os medos são inerentes. mas só lá chegas se tentares.
dá as cabeçadas que tiveres que dar nos números e fórmulas, se és feita de letras mas não é nas letras que queres ficar.
faz sempre falta uma psicóloga na família para me curar os ataques de ansiedade...
só não cantes, pode ser...?
beijos e parabéns, mana!

sexta-feira, 19 de novembro de 2004

office

Tou cá, mas por pouco tempo. Basicamente chamaram-me para fazer 60km para almoçar com elas... porreiro...
mas pronto, valeu o gesto.
E discutiu-se política com um senhor da mesa do lado... E uma velhota atravessou a rua de propósito para nos mostrar os medicamentos - genéricos - que dobraram de preço graças aos políticos do "caralho, que é o pai da humanidade, não é uma palavra feia pois não?"
acho que é uma palavra feia e bem aplicada, minha senhora!

... (suspiro)...

tenho saudades das minhas tabuinhas...

Notification:

Your computer clock may be wrong.
No, mister. My computer clock is perfectly fine, thank you.
The time is the one mistaken.

Let it be light.

quinta-feira, 18 de novembro de 2004

bacalhau


Procedemos agora a uma curta interrupção da emissão, para um momento de poesia insular, da exclusiva responsabilidade de Codfish Michael, com o apoio da Banana da Madeira e autorização do tio Alberto João.
...(ehem, ehem)...

És tã benuita, cheiras a hortlã
Góst tãnt de tui, hã?

;)
Beijuinhes


quarta-feira, 17 de novembro de 2004

Flores e Cheiros


Hoje ando a pensar em coisas bonitas... Que me punham bem disposta em menina...
As papoilas, as azedas, os malmequeres para os amores. Os girassóis (sempre bem-dispostos, os sacanas), as frésias brancas e as túlipas.
Os meus sonhos com bailarinas e fadas, transparências e fragilidades, eternuridades e magia.
O cheiro das torradas à noite, do chá doce saído do termo dos Marretas, da roupa acabada de lavar, do batom que eu tinha escondido, da minha boneca preta, da terra molhada da praceta, da cebola a refogar e do "frango à maricas" no forno.
O som do vento a passear nas árvores da tal Praceta, os gritos e os risos dos putos, o "homem da chuva", a água a ferver para o chá, os talheres a bater, a minha mochila da escola (sempre maior que eu) com as canetas a chocalhar no estojo, os amigos a mandarem pedrinhas à janela para eu deixar os trabalhos de casa, o tilintar dos pequenos tesouros da minha caixa secreta, a buzinadela que os meus pais davam quando iam embora, a mota do Zé das Cautelas, a fogueira a crepitar nos santos, o meu cão a correr.
Costumo queixar-me da minha memória. Mas estes pedaços de mim estão entranhados na pele.

Papoilas


A esta hora, há 4 anos atrás, ainda não tinhas partido.
Mas também já não estavas cá.
Um sopro de um qualquer anjo (tenho a certeza) fez-te entrar nesse estado que para nós é ainda um mistério. Dormias. Mas não voltaste a acordar.
Eu tinha falado contigo, nessa cama de hospital, e disse-te, baixinho: "Se quiseres ir, descansar, vai, avó. Nós gostamos muito de ti". Umas horas depois, na manhã seguinte, tinhas voado.
Mas ficaste comigo. Eu sei.
Ainda tenho os pés frios. Ainda me lembro de ti de cada vez que calço umas peúgas. Que faço uma gemada quando não consigo dormir. Que ando de baloiço na Praceta. Que masco uma pastilha Gorila. Que vejo pombos no Rossio. Que encontro a forma de um coração nem que seja num bolo mordido. Que vejo uma papoila no meio do nada.
Estão aqueles dias de Inverno que adoras. Frios e brilhantes.
Estou diferente daquela menina que deixaste. Fui menina até me deixares. Durante 20 anos fui menina.
E se sorrio e brinco e rio, é graças a ti. À doçura que deixaste no meu peito. E de cada vez que sou doce, és tu em mim. Isso e a tua postura. Levantar a cabeça, sempre...
Chorei por ti há pouco tempo. Com saudades. Queria-te aqui. Foste a minha cúmplice. Queria partilhar contigo os meus dias tristes e as minhas doideiras, as minhas batalhas. Queria poder ouvir-te a cantar fado enquanto lavavas a loiça. Queria sentir os teus passos ligeiros no corredor e a tua pele tão macia no beijinho de boa noite. Queria colinho...
Mas estás aí, não estás?
Sinto que sim.
Gosto de ti.

terça-feira, 16 de novembro de 2004

Bife, esparguete com ketchup e merdas

Esta rotina que se instala nos tempos mortos em que não há emprego ou trabalho que me tire daqui é castradora.
Hoje foram ao hospital com o meu avô. As complicações nesta idade dão para sustos dos mais variados, mas ele volta sempre, rijo que nem uma maçã reineta.
A parte positiva é que pude estar a trabalhar no computador (unfinished businesses) e a única coisa que me acompanhou foi o silêncio. A máquina que lhe fornece o oxigénio estava desligada, e viveram-se momentos raros e preciosos por aqui.
Neste sótão está frio, acendi o aquecedor. Queria ouvir música, mas não me lembrei de nada que me apetecesse.
Fiquei por cá, a martelar nas teclas, a sentir o sol atravessar o céu.
Depois fui almoçar. A essa hora chegou a minha irmã com uma gripe. Deixei o meu bife a arrefecer à velocidade da luz na frigideira e quis dar-lhe ben-u-rons, leite quente com mel, fazer torradas. O namorado dela fez questão de tratar disso. Sentei-me a comer. Entram os meus pais com o meu avô, liga-se a máquina, dão-me na cabeça porque "o puto é que teve de fazer as torradas para a tua irmã, não tens vergonha?".
Quando há crises graves, normalmente é comigo que ficam os berbicachos porque mais ninguém tem poder de resposta. Fora essas alturas, normalmente era o palhaço. Punha toda a gente a rir. Agora tou farta da paz podre que por aqui se vive, em que ninguém quer saber nada, desde que uma pessoa chegue a casa à hora marcada e não se parta muito a loiça. É um clima egoísta e assumidamente ignorante. E deixei de rir, de dizer piadas, ou sequer de tentar estabelecer contactos, perguntar opiniões, contar os meus projectos. Claro que me olham de lado, ficam meio atónitos por verem aquela pessoa estranha de olhos tristes enrolada no sofá.
Apoio? Só quando está tudo já feito e pronto a consumir, é só bater palmas no fim. Ou então quando estou empregada cheia de olheiras, dores musculares e desanimada, ao menos sou uma "pessoa séria".
Isto muda... Como todas as famílias, é por luas. Mas apetecia-me poder ficar pura e simplesmente a uma distância segura.

segunda-feira, 15 de novembro de 2004

Regresso a casa

Cá estou eu... em casa... O meu trabalho acabou.
Mais uma vez, a descartabilidade ataca... Por muito bom que seja o trabalho de uma pessoa, por mais que um gajo acorde às 6 da manhã e tenha o trabalho feito a horas, por muito que até precisem de mais mãos a trabalhar... Não dá... Até de mulas está a fila do desemprego cheia.
Só queria poder pagar as minhas contas. Para poder "independentizar-me" do ninho familiar.
Não me importo de viver com pouco.
Mas estou naquela altura da vida em que queria ter o meu espaço, as minhas paredes para pintar, os meus cortinados para pendurar.
A família não ajuda... Facto. Agora que dava jeito eu ter um projecto real a que me agarrar, há uma casa a ganhar pó (o único escape a custo 0) que não me facilitam...
E ir morar com uma amiga... não tenho nem terei num futuro próximo capacidade financeira de aguentar uma renda MAIS as contas... Desculpa lá, B.
Bem, fica para uma próxima.
Se calhar vou mesmo esquecer as teatradas e virar menina certinha com uma "desk job career" dos sonhos da minha mãe... Se bem que até agora, só me estou a ver com carreira a fazer unhas de gel...

domingo, 14 de novembro de 2004

Fly Away

Tive de ir deixar outro grupo ao aeroporto. Nesta altura já domino completamente a dita estrutura.
Ir ao aeroporto é sempre uma coisa estranha, para mim.
Tenho um pânico terrível de aviões (é que eu não sei voar), mas um desejo imenso de viajar.
Dá-me sempre o impulso de comprar um bilhete e ir. Simplesmente ir... É que as centenas de pessoas com as suas malas, bilhetes e sorrisos rasgados fazem-me parecer tudo tão fácil... Destinos? Qualquer um. Há tantos sítios que gostava de conhecer ou redescobrir.
Tenho uma sede imensa. Mas raramente vou a lado algum.

quinta-feira, 11 de novembro de 2004

muahahahah

Entro na oficina. O tipo vira-se, vê-me, supreendido. Encolhido, pergunta:
- O que é que se passa com a viatura?
(adoro quando tentam ter linguagem técnica no meio da grunhice, tipo jogadores de futebol)
- Sei que você não é o responsável directo, mas neste momento é o representante da empresa: é a segunda vez seguida que venho aqui com a "viatura", com um problema que não existia antes de cá ter estado. Portanto, vocês vão resolver-me isto imediatamente e sem me cobrar um chavo. Se não tem autonomia suficiente para decidir sozinho, chame um seu superior.
Baixou os olhos, passou por mim muito ao largo, o que fez com que fosse bater na ombreira da porta.
Cinco minutos depois, o meu carrito estava a ser tratado. Foi-me devolvido no próprio dia. Sem factura para pagar.
E desconfio que eles estão a fazer uma vaquinha para me oferecerem um cabaz de Natal...
Dominatrix!

quarta-feira, 10 de novembro de 2004

dasse!

O meu carro foi fazer a revisão.
Dois dias e muitos euros depois, voltou para casa... com uma fuga que não tinha. Voltei lá. Dois dias e outros euros depois, fui buscá-lo... Tem o velocímetro e o conta-quilómetros parados! Não sei quanto a vocês, mas os mecânicos são para mim, certificadamente, a pior raça à face da terra.
O que é que estes energúmeros aprendem nesses cursos profissionais com tanta saída para o mercado de trabalho? Como aldrabar o cliente em 10 lições? Como chupar todo o sangue da carteira da pobre alma que se dá melhor nos cursos de letras? E será que há um limite máximo (negativo, claro) de Q.I. para se poder entrar para o curso? Fazem testes psicotécnicos para determinar se os educandos têm os níveis exigidos de ruindade?
Mas que mal é que a humanindade fez a esta gente? Sim, porque esta é das mais evoluídas formas de seita fundamentalista existentes actualmente! Actuam sob a forma de pobres trabalhadores de batas cinzentas cheias de óleo, ombros curvados, que ouvem a rádio Miramar enquanto limpam carburadores com o seu olhar de cão abandonado, apelando ao mais profundo sentimento de caridade, mas eu sei! Eu sei! É uma cabala! Por detrás dessa inocente aparência escondem-se monstros sanguinários de olhos injectados de sangue e caninos afiados que esperam apenas pela primeira oportunidade para sabotar aquele tubinho pequenino que ninguém sabe para o que é. E já está! Cliente de carro partido, a ter de ir à oficina repôr não sei quantas peças com nomes estranhos de que nunca ouviu falar e que nunca têm em stock: vêm do Japão ou da Alemanha e demoram um mês a chegar, e enquanto se espera cobram mão de obra!
Mas eu estou num estado total de desespero! Eles que me cortem os travões! Não tenho medo de represálias!
Se gostam de circo, compareçam hoje pelas 14:30 na Cimpomotor, ali na Av. de Madrid!
Como grande opinion maker que é, indubitavelmente, este blog, uso de todos os meus poderes para mobilizar ao boicote a esta oficina, que é, certificadamente, a mais estúpida do universo e arredores periféricos!
E hoje vai doer: já vesti as calças de cabedal, vou levar o chicote. "Say my name, bitch!" DECO!

segunda-feira, 8 de novembro de 2004

gatos

Fui ver o Cats.
O sonho de uma vida... queria ter visto ainda em Londres, mas tive de esperar q passassem por cá...
Ora bem... os bichanos...
São giros, os espectáculo tá engraçado. Mas estamos 1 hora e meia a ser apresentados a personagens que afinal não têm grande coisa a ver com o enredo...
Quer dizer, basicamente também não há enredo.
O que mais me fez impressão foram os meios técnicos... Tão lá atrás...
E o palco é minúsculo: o Coliseu já morreu, pá! É o palco que tem de invadir a plateia e não o contrário, para encher as medidas do espectador, para nos envolver na magia!
Os cenários e as roupas listadas e manchadas dos gatitos confundem-se e exigem que se esteja a esforçar a vista para não acharmos que é o cenário que mexe!
Não, mas o supra-sumo são umas luzinhas tipo de natal que eles têm espalhadas pelo tecto e balcões laterais do coliseu... Que ninguém os deixe passear pelo Martim Moniz e descobrir os barretes de Pai Natal e luzinhas piscantes! Tava tudo tramado.
Mas é um clássico. Só por isso não se deve perder.
De qualidade de dança e representação, movimentação e musical fabulosas.
Miauuu, purrr...

sábado, 6 de novembro de 2004

Há dias assim

O carro esteve na revisão há dois dias e saiu de lá com uma fuga (que não tinha) no depósito do líquido de refrigeração do motor.
No trabalho, o computador que chegou para mim, para deixarmos de fazer a dança das cadeiras, funciona mas não temos monitor.
E esse trabalho acaba para a semana e logo se vê como é das prendas de Natal.
Tou com um quasi-torcicolo por causa do peso da mala, o que me dá dores de cabeça.
O teatro tá parado, e a ressaca a aprofundar-se.
Os meus pais andam de trombas, nunca vale a pena tentar saber porquê, que aquilo varia com as luas.
Não vou a um bar há meses.
Tiraram-me a casa que eu ia ter.
Não tenho gajo, mas ainda acredito no estupor do príncipe encantado.
O tabaco vai aumentar... outra vez.
O Bush ganhou as eleições.
O Portas ainda tá em funções.
... Não, não estou com SPM...
Há dias em que uma pessoa se vai abaixo. E no meu caso não me posso vingar em compras.
Sou gaja, pois!
Tomei um perfeito dum banho de espuma e marimbei-me para o mundo.

sexta-feira, 5 de novembro de 2004

Poizé!

Merda, não me calhou nada.
Não me costumo meter nestes jogos porque acho um desperdício. Acho que é tentar demais a Lei de Murphy (esse grande senhor e mentor da minha vida, bendita a Sua Palavra, Ámen, Áwoman, Ágay).
E já me basta a Loja do Cidadão, thank you...
Mas pronto, alea jacta est, como diziam os romanos do Astérix.
Como recebi, resolvi logo que tinha de gastar dinheiro em coisas perfeitamente estúpidas, como fazem as mulheres. É um problema do cromossoma X.
E, apesar de precisar de uma mochila (costumo ter a casa no carro, e agora tenho de ter o carro na mala, e tenho de correr Lisboa inteira), achei melhor comprar a raspadinha: se me saísse o belo do carcanhol, comprava a mochila, a casa, o carro, um teatro, e viajava pelo mundo.
Este costume de apostar o que não se tem num papelinho é perfeitamente parvo.
Mas olha, sempre foi o ponto alto do meu dia.

Sorte ao jogo

É para a loucura total! É hoje! É já! Os meus sonhos vão-se realizar todinhos todinhos! Vou ser feliiiiiiz!
Ou não, ou não... Só comprei uma raspadinha...

quinta-feira, 4 de novembro de 2004

Almas Gémeas (por encomenda*)


* Sugeriram-me que falasse de almas gémeas... Este post vai ser adendado, concerteza, pelos requisitantes... É que não vale não comentarem o blog e depois pedirem-me que escreva por encomenda e deixarem-me sozinha nos meandros filosóficos... Grrrrr.

Voltando à vaca fria (muuuu, brrrr)... almas gémeas...
Existem?
Eu acredito. Que merda, acredito como se acredita no Pai Natal quando somos putos, como se tem fé, pura e simples! Até me darem prova em contrário, para mim existe. Até porque sou da geração fã da Meg Ryan, caramba!
Mas também acredito que é difícil de se encontrarem. A química e o amor livre são muuuito bons, mas também perigosos nos dias que correm. Pode facilmente cair-se em (des)enganos... Mas isso já vai do modus vivendi de cada um.
"Acredito que há um testo feito para cada panela". Não sei se passa por serem duas pessoas tão iguais ou tão diferentes. É engraçado depararmos com combinações improváveis ou com duas pessoas que "só podiam" resultar juntas... E ambas as situações acontecem.
Acredito que há um The One.
Agora como encontrarmos essa pessoa que nos complementa e nos faz sentir únicos de uma só vez... É outro dos enigma deste tema.
Totoloto humano? Destino? Hmmm... Decisions, decisions.
Acredito nos sinais. Muito. Às vezes demais. Há coisas que batem demasiado certo. Seja num trabalho, seja numa forma de estar na vida, seja na cama. Seja uma música que toca quando não se adivinhava. Seja um pensar numa pessoa e o telemóvel tocar. Seja um sonho. Seja a sintonia entre dois. Ou pura e simplesmente o cruzar de caminhos. Só podem ser um empurrão...
É uma maravilha estar-se com alguém que nos faz acreditar nisto, de tal forma que se tem a certeza.
E acredito que o amor pode durar uma vida. Sim, como os nossos pais ou avós. Não por obrigação, mas por teimosia, dedicação e pelo facto de não haver mais ninguém no mundo que queiramos abraçar. Mas isso é a arte suprema da alma gémea, isso é que é complicado de atingir. E não acho vergonha nenhuma que não se consiga: há que viver intensamente o momento para no fim, ao menos levarmos boas recordações e experiência de vida. Olé.
Há também, para mim (óbvio, para quem haveria de ser) uma diferença entre soul mates e meant to be.
Porquê? Porque às vezes não dá. Mas luta-se por isso, claro que sim. Deve lutar-se até ao fim, bater o pé ao destino. Ter a certeza de que se fez tudo o que se pode, respeitando, claro, a vontade e o espaço do outro (qual é a piada de estar madly in love e o outro tar madly out of here?). E só sabemos que não era mesmo o destino quando morremos e já não temos hipóteses de lutar mais.
E que o medo da solidão não nos impulsione ao desespero, à obcessão de agarrarmo-nos ao que temos apesar de ser insuficiente, de não proporcionar felicidade a um ou aos dois elementos (ou três, ou quatro, eu sou uma pessoa moderna). É levantar a cabeça e seguir em frente, sem perder o amor próprio, ou, pelo menos, a nossa identidade.
Eu acredito em Deus porque existe a natureza, a vida, e porque existe o amor. E é um sentimento superior. Em todas as suas facetas. A sorrir ou a chorar, faz-nos sentir vivos como nenhum outro. Se deixamos de nos sentir vivos, o amor acabou.
O amor perfeito que é a pura sintonia entre duas almas. E só vale a pena se for assim. E que seja para sempre enquanto durar.
Tenho dito.

quarta-feira, 3 de novembro de 2004

V

Pediste-me que falasse mais da nossa amizade. Oh, amiguinha, a nossa amizade já é um posto!
Já lá vão quantos...? 7 anos. Ui, tamos velhas, minha cara...
A princípio embirrámos muito uma com a outra. Achava-te beta e vinha de um sítio onde tinha criado engulhos a betas...
Mas aos poucos, conhecemo-nos melhor. Mudaste, mudei, mudámo-nos.
E ficámos.
Sempre a sorrir, sempre a desdramatizar, sempre a bombar. Tu com pele de nata salpicada de canela... E eu o caramelo com chocolate... Grande gelado, nós as duas. Tu és chuva, eu sou sol.
E somos doidas, as duas, ah somos...

E a partilha de 7 anos não se conta em duas linhas.
Deixemos só ficar os risos. As caretas à porta da sala de exames, o Narana Coissoró (é assim q se escreve?) a olhar para nós e a voltar para trás a perguntar o que é que estávamos a fazer...
- Estamos à espera para fazer oral...
Não é normal, mas nós também não somos nem fazemos questão de o sermos.
O primeiro cigarro em público, a surpresa no meu aniverário, as aulas de step, os trabalhos de grupo, as tricas e palhaçadas, os cafézinhos no Residence, as festas.
O facto de estares sempre na plateia.
E como te consegui um emprego porreiro... a minha mãe ficou danada! Então ando a arranjar empregos para as amigas e fico a brincar aos teatros?? Mas és tu a jornalista, eu nunca fui. Ela que comreenda ou não.
E a minha aventura como Teresa Guilherme. Ao estilo Sexo e a Cidade, mas mais Stress e a Cidade...
Mas correu bem. Estás feliz, e eu feliz por ti.
Agora estás tu a torcer por mim.
Somos mesmo torcidas...
Olha: Porta-te mal e fica sempre por aí, ok?

V&M

Qual é o limbo entre a intimidade e a completa insanidade, pergunto-me? (mão na testa, sobrolho franzido, olhar ausente, contemplando o infinito)
Convite para jantar de amigos... Tudo às mil maravilhas. Apesar de às 7 da noite já me estarem os olhos a querer estacionar na terra dos sonhos, vale a pena.
Ora às 20:30 os meus olhos estavam arregalados de espanto...
Conheço aquele casal há que tempos. Aliás, fui eu que os juntei, nos meus áureos tempos de aspirante a Teresa Guilherme... Oh, Senhores, o que fui eu fazer... Além de não pôr a vista em cima da minha melhor amiga durante quase um ANO (retiro... espiritual...), aqueles dois são a encarnação do diabinho da nossa consciência...
Não há conversa séria que os demova de uma boa piada. E entre cigarros e depressões, estivemos à gargalhada. Acerca de tudo inclusive a vida sexual dos próprios...
E eu pergunto-me: será que não se pode ajudar um amigo a instalar o Windows XP sem descobrir os diminutivos afectuosos que utilizam para os respectivos órgãos genitais??
Será que nunca mais vou conseguir reprimir um esgar ao ouvir palavras como podar...?

Epá, nós devemos mesmo ser de outro planeta, porque esta noite diverti-me imenso. Obrigada.
E viva a Lili... Vamos a banhos... e com esta me vou...

terça-feira, 2 de novembro de 2004

ARGH!

OK, tenho revisão do carro às 8:30 da manhã.
Levanto-me às 6:30. O que me vale é que, apesar de ter perdido o meu querido Pedro Ribeiro para a RCP (fizeram-lhe uma lavagem cerebral, só pode - é assustador ouvi-lo falar de enormes seios ao som de Roberto Carlos...), tenho o Markl ressuscitado pela Antena3.
Meto-me no carro. Frio, nevoeiro malcheiroso... Ok, aguenta-se.
Mas alguém me explica porque raio é que tinha de estar uma fila de carros de uns 15 km na auto-estrada?? Eu já moro a 30 km de Lisboa, obrigadinha, não preciso de ajuda!!!
Tudo parado... Ai que bom... Porquê? Não sei, não me perguntem. A certa altura passei de parada para andar a 10 km/h (andámos todos a infringir o código da estrada, a andar a menos 40km/h na AE), para depois andar a 40, e assim, mesmo á maluca, no finzinho, andei a 60...
Depois cheguei à Calçada de Carriche... (Ou seja, parei outra vez...)
Já tinha dores no joelho direito...
Prontos... depois foi pára-arranca até ao Areeiro.
Bonito

segunda-feira, 1 de novembro de 2004

Pause Still

A sensação é a de se pressionar a tecla pause de um comando.
O filme pára naquele momento, e uma pessoa levanta-se, para atender o telefone, ir à casa de banho... E o filme fica naquela posição estranha, arrastada, normalmente com um esgar do protagonista.
Ou, por exemplo, uma viagem de comboio: tudo lá fora em movimento, e uma pessoa a ver o mundo passar à janela, num tempo diferente. Não, espera, é ao contrário: tudo está parado e a pessoa é que vai em movimento...
Como explicar?
Basicamente, o mundo segue a sua vidinha. Calmamente, pacatamente. Eu não a sigo. Fico-me. Não vivo, de viver mesmo... Tipo suspensão... Tipo Matrix...
Tenho tanto medo da morte e afinal estou para aqui a desperdiçar dias.

... Nota-se muito que estive num domingo à noite, véspera de feriado, em casa, com os paizinhos, a ver a Quinta dos Famosos...?
Tenho de arranjar uma actividade... Pôr o ponto cruz em dia...