sábado, 20 de novembro de 2004

nikey ou a loira

lembro-me de estar a dormir e a nossa mãe, com a sua barrigona, me acordar e dizer-me que está na hora. lembro-me que devia estar frio, porque me atafulhei de casacos e cachecóis. dizem que com olhar de pânico tratei de pôr as tuas roupinhas numa mala, mas só me lembro de sair com um único objecto: um anjinho. em casa da avó, dormi com ela, no quartinho da alegria, e rezámos ao anjinho para nasceres bem.
passámos um infância tramada. entre ataques de asma, pontapés, barbies, mordidelas e pazes forçadas. mas acho que chegámos a um acordo...
e cá estás... 19 anos depois... com os teus caracóis loiros que sempre foram a minha perdição e orgulho. magrinha, nervosa, com esse sorriso maravilhoso que, por muito "castor" que te chamem, eu acho do maior charme. e cheia de poesia, esta menina...
cheia de sonhos, mas com ainda mais medos. menina... sonha, sonha. os medos são inerentes. mas só lá chegas se tentares.
dá as cabeçadas que tiveres que dar nos números e fórmulas, se és feita de letras mas não é nas letras que queres ficar.
faz sempre falta uma psicóloga na família para me curar os ataques de ansiedade...
só não cantes, pode ser...?
beijos e parabéns, mana!

0 impressões digitais: