segunda-feira, 29 de novembro de 2004

fundi o chip

às vezes não sei porquê começo a pensar na vida... como é normal, só pode sair merda, não é?

comecei a pensar muito a sério neste blog. para que é que serve? para nada, basicamente... isto parece os sermões do outro aos peixes... ou uma viagem ao meu umbigo...
estou para aqui com as minhas so-called crónicas de rotina... ou dores crónicas, ou cólicas da rotina...
mas, let's face it... não tenho grande poesia. não sei falar por metáforas. não tenho histórias interessantes para contar. não tenho uma acutilância ou ironia daquelas que dá gosto ler. desisti de saber os nomes dos políticos. não vejo a quinta das celebridades. tenho uma vidinha daquelas que não interessa ao menino Jesus...
é uma vida, como tantas outras.
que contributo presto aqui a quem me lê? sim, tu, ó pessoa...
não presto, não é?

um dia páro de escrever aqui.

2 impressões digitais:

maizine disse...

exactamente o que queres que te seja dito? que há sempre alguém pior que tu? ok, seja: há sempre alguém pior que tu... há duas grandes razões que nos levam a escrever: a felicidade ou a tristeza. diz-me qual é a tua.

polegar disse...

não "quero" que me digam nada de específico. não espero nada. e é isso que me leva a escrever. digo, só.
por isso são nadas o que escrevo.