sexta-feira, 15 de abril de 2011

o novo caminho

há o meu jardim da árvore gigante, debaixo da qual leio a peça.
há uma boutique pequenina com os meus sapatos.
há uma loja com lápis de cera daqueles que comíamos em miúdos.
há um prédio que é só uma fachada.
há um cão preto e branco que dorme toda a tarde dentro do talho.
há um homem vestido de fraque, com laço preto, no meio da rua a meio da tarde no meio de turistas de calções e bonés e túnicas floridas.
há um  tipo que grita com o mundo enquanto mija na calçada.
há um cheiro a fruta quente, apesar disso.
há uma velha de peruca da cor da bengala de madeira avermelhada.
há um sol de frente que se apaga quando viro a esquina.
há a Mitó nos ouvidos a emprestar-me sentidos.
há uma corrente de ar sempre presente. agora é quente.