sexta-feira, 23 de fevereiro de 2007

desencaixes

questiono-me a capacidade de encaixe. quando a transparência toma conta de mim, surpreende-me a velocidade com que me conformo com a minha invisibilidade. houve um tempo em que me era essencial tatuar o coração dos outros. parecia que respirava melhor. hoje já só sobram disso esquiços, poucos, de tinta debotada e braços caídos.

subo as escadas, linguagem corporal de quem já sabe o que está ali, para onde vai, onde vai dar a porta fechada. nariz no ar para cheirar as recordações. sim, ó tu de cabelo no ar, conheço-te. e tu também me conhecias. esqueceste já as picardias sorridas nas tardes mornas e as mãos que te enfeitaram o bar com velas e percussões e poesias. talvez os olhos estejam assim tão diferentes. tu és dos tempos em que a esperança era perfeita. em que qualquer desafio era vencível. e tudo era um deslumbre e um caminho de pedras polidas. se calhar por isso não te lembras de mim. era a miúda de cara estragada da adolescência, de calças de ganga, passos incertos, sorriso de leste a oeste com a vida. tinha os dedos rasgados de cortes de papel, dos primeiros mailings, e o nariz farejante do pó denso dos bastidores e da antiga alcatifa que já não está lá - aquela que me deixou marcas de queimaduras de alegria. agora tenho franja e um pouco de peso a menos. deve ser isso. mas eu sei-te tanto que sem pestanejar pedi uma das tuas tostas. sim, com tomate e orégãos.
e com um meio sorriso percorro à distância o varandim onde fazia rir o bebé de olhos de safira. já deve estar enorme. a mãe dele também se cruza comigo, tantas vezes, e nunca me reviu, apesar da simpatia pronta com que brinda um qualquer um.
e a mãe dela, essa outra, varreu-me um par de vezes do lado de lá, de cima do palco, fixando-me como quem me procura em ficheiros há demasiado tempo arquivados. se a cabeça já lhe dava para pouco, agora... como me encontraria na bilheteira horas infindas, a martelar bilhetes de dedos sujos de tinta carimbo, ou a vadiar pelos palcos enquanto não começávamos? como me reencontraria naquele vestido preto e luvas compridas que me passaram para a mão sem apelo nem agravo?

já no fim, outro fantasma que perdura pergunta-me o que quero beber. não há café.
- eu conheço-te, não te conheço? surpreende-me a surpresa de me reconhecerem.
- sim, eu já trabalhei aqui. e ficaste tu e saí eu porque tu cantavas.
- ah, do tempo da B., não era? sim, desse tempo antes do teu, os meus primeiros passos de bebé livre foram ali em baixo, sala um.
- pois. há muito, muito tempo. o tempo em que a minha vida era preenchida com sopros de alegria e tudo se fazia com um lençol, e eu pertencia, e eu fazia, e eu era quem queria ser.
- mas também já te vi numa peça com o P. e a S., não já? já, já, noutra casa que me arrancou a ferros aquela que eu devia ser.
- sim, sim.
- desculpa não te ter reconhecido logo.
- não há problema, é normalíssimo. ainda têm capilé?

8 impressões digitais:

espantaespiritos disse...

casas, mentes, pessoas ingratas.
pessoas umbilicais que não vêem nada à volta.
usam e deitam fora.
é a vidinha.
mal é de quem, como nós, tem memória longa.
mas não ficam só as coisas más.
ficam as boas também.

mas não deixa de doer toda essa injustiça.

Anónimo disse...

OHHHHH como sei o que isso é.....

Mas não me magoa, sabes, a isso eu chamo crescer! E se calhar daqui a uns anos vamos nós fazer essa mesma figura, por já termos passado por tanta gente, por tanta emoção forte, por tanto momento importante...

Foram de facto momentos muito importantes, talvez os mais importantes, ou os mais marcantes, mas foram para NÓS, e não para eles!

E isso sim é que deve prevalecer!

Beijo Grande, B.

colher de chá disse...

não querida, não, não, não desanimes. em breve estaremos juntas debaixo da luz, não é? ;)
sonha com isso... talvez se realize. :))

Nuno West disse...

Voltei amiga.

Voltei só para me deslumbrar com as tuas palavras...

MPR disse...

Voltaste lá? E não me dizias nada??

Alcebíades José disse...

É que o tempo passa, mesmo que a gente não queira. Mas a tinta essa nunca seca e os corações continuam á espera de ser tatuados e cada vez com mais força.
www.omundodealcebiades.blog.com

menina limão disse...

parabéns pelo blog, escreves muito muito bem. :)

Daniel Aladiah disse...

escreves de forma "Lobo Antunes"... o que quer dizer que também poderias ser nobelizada, caso insistas...
Um beijo
Daniel