terça-feira, 14 de outubro de 2008

paracetamol

o corpo em descanso, pela primeira vez de dois meses de tensão, em vez de ficar agradecido, vinga-se da negligência com dores absurdas em sítios que pensava que não tinham terminações nervosas, a cabeça pesa mais do que o pescoço aguenta, os olhos querem saltar das órbitas e é toda uma moleza inominável que me prende impotente ao sofá. assisto às mudanças de luz na sala, que lambe as paredes devagarinho, destaca e esconde os títulos dos dvds, dos livros. e penso que devia ir aspirar o chão.
tinha coisas para fazer.
apetecia-me sair de mão dada, apanhar ar, comer travesseiros ou castanhas ou sushi, comprar um casaco, ler um livro de fio a pavio, acabar o quadro grande, e essas coisas que andei a adiar. apetecia-me convidar amigos para um café, um filme, qualquer coisa que me fizesse sentir acompanhada, descontraída, com vida pessoal outra vez.
tudo engolido por uma dolorosa apatia. quebrada apenas pelo ritual de, às 8 da manhã, dar um salto na cama a pensar que estou atrasada para os ensaios.

não te preocupes, diz a voz na minha cabeça, a partir de amanhã já tens peça outra vez...

4 impressões digitais:

espantaespiritos disse...

retempera as forças que o resto vem naturalmente. hangloose.

miak disse...

Força amiga...

Beijos grandes.

tamarazelazo disse...

Pisa, pisa...

polegar disse...

espanta: pois, pois. mas primeiro, a santa gripe.

miak: vai-se tendo ;)

tamarazelazo: ahahahahahah! a motivação que faltava!