terça-feira, 28 de outubro de 2008

sonoro

descia descuidada a avenida, restituída à ordem natural depois do fim de semana de sete milhões de euros que legalizaram - temporária e exclusivamente - as corridas de carros, o tuning e o barulho excessivo em áreas residenciais.
[by the way, o público surpreendeu-nos, recusando os apelos da grunhice intrínseca de cada zé tuga, enchendo-nos a sala apesar do circo à porta, das estradas fechadas, do incómodo de mudança da hora, do sol lá fora e nós aqui. amén a todos vocês, benditos anónimos, que nos forraram a plateia com mais de seiscentas almas receptivas e bem dispostas.]

mas dizia eu que descia a avenida. passando o nevoeiro das castanhas na esquina, evito que uma senhora seja atropelada na passadeira e continuo na luta interna de conseguir chegar à mala apesar das várias camadas de roupa, do capacete, do desastre natural da minha pequena estatura que não me permite equilibrar tudo nos braços. tiro o sete colinas e o telemóvel, carrego no play. já vai a meio a canção e é das que dão para abanar a cabeça. que levanto.

à minha frente, emperiquitadas no alto dos saltos, um duo dinâmico de capilares reflexos vermelhos nitidamente acabado de sair do Beauté, aqui ao lado. na minha cabeça atropelam-se etiquetas como a brigada da laca ou esquadrão da mise. assim, cabelos em Peter Pan da alta, tufados, flutuantes, alheios às leis da Gravidade, como que suspensos por molas. molas, também, os brincos demasiado grandes para uma cara enrugada mas disfarçada em betume, perdão, base, os cachuchos em cada dedo disponível - mais houvessem, a crise não chega às mãos -, as pulseiras que davam cintos. o cinto do casaco estampado de leopardo em roxos, o outro em pretos discretos mas com correntes, o andar de gazela em botim de pele [da própria, quem sabe] em perfeita dislexia da pochette e da bolsa de cabedal, e a lapela altiva de gabardine que [des]compensa a falta de altura. e no alto, esse corolário inevitável, que reclama todas as atenções apesar de tanto onde perder os olhos, a farta cabeleira no que se adivinha ser um ridículo pau de giz se, bem vistas as coisas, a cabecinha fosse demolhada e lhes decapassem todo o spray fixador.

abro a agenda, desesperada, e escrevo umas linhas para me lembrar mais tarde. desenho outras tantas - linhas - para não me esquecer de outros tantos movimentos.

e nos ouvidos, dispara, sozinha, por ordem aleatória do abecedário da tecnologia móvel, esta canção.

Listen "Seu jorge Burguesinha"


dispara-se-me a gargalhada no meio da rua. disparam os olhos das emperiquitadas, perturbada a redoma não insonorizada do âmago umbilical da conversa. pulverizadas, as conversas emperiquitadas, pelas minhas ondas sonoras.
sonoras, pois. que na vida há alturas em que está tudo ligado, e há mesmo bandas sonoras, não me lixem.

2 impressões digitais:

espantaespiritos disse...

pois... pois... a vida é musical e assim... e assado... mas para quem não gosta de musicais? hum? como é a vidinha?

unhappy... unhappy... very, very, very, very, very unhappy...

(entra musiqueta e pose, ai a pose)

Alien disse...

AHHHAHHAHAHAHHAHAHAHAHAHA
adoro quando isso me acontece!
adoro bandas sonoras, também!
principalmente as que são de filmes mais nossos

=)
beijoca!