terça-feira, 7 de abril de 2009

o sangue novo

ontem viajámos no tempo. devagarinho, primeiro de passos envergonhados. os olhos são os mesmos, terão apenas outras histórias para contar. os gestos e os abraços pareciam não ter conhecido mais um segundo. parecia que tínhamos parado no tempo, ou recuado mas no bom sentido. a ida e a volta e as pedras que nos reúnem sem podermos pisá-las outra vez. foi estranha, a sensação. mas familiar, quente e desenvolta. de pantufas, pode dizer-se. no chão empedrado mas de pantufas. com os fantasmas colados às costas. estávamos assim, como sempre e há tanto tempo que não. isso não devia ser possível nestas dinâmicas de grupo.

pergunto-me como teria sido se tivesses deixado este sangue novo correr-te nas veias, nos corredores, sem medo de nós, percebendo que caminhávamos todos no mesmo sentido e com o mesmo respeito. com diferenças mas o amor intacto. onde te queríamos incluído.
pergunto-me se pensarás nisso, lá longe disto tudo mas com essa aura pegajosa que deixaste que nos afastasse. que te mentisse sobre nós. se tens consciência que essa aura é pegajosa e que te mentiu. que te afastou de um novo fôlego. em que seria novo mas contigo. como daquela primeira vez em que nos pediste para não deixarmos o teatro morrer.

ontem senti esse sangue acordar. doeu, que as cicatrizes avisam sempre o tempo.
acordou logo, o sacana. entre frango, alho francês à brás e duas de tinto...
tu, aí, lá do outro lado do oceano, sentiste? é que, num erro de logística, até se pôs a mesa a contar contigo.

5 impressões digitais:

colher de chá disse...

...
foi muito bom, mas estes momentos têm sempre o reverso. resta sempre um pouco de melancolia, de saudade pelo que poderia ter sido. se ao menos...
e se agarrásemos nesse sentimento para construirmos castelos no futuro?

obrigada pelo texto tão bonito e tão verdadeiro. mais ninguém poderia ter descrito esta noite tão bem.

colher de chá disse...

errata:

agarrássemos

Linha Recta disse...

Oooohhhh...
Eu proponho um brinde! Mais um, somente, a tudo o que se disse lá e aqui.

Petroni disse...

"Eu não sou criativa!", gritava a pequenita quando ainda era pequenita e não tinha feridas profundas.
Agora tem asas e é um Porto maduro. Um brinde a ti e a todos por esse belo texto!

polegar disse...

colher: o sentido é sempre esse, para a frente. mas com a bagagem da vida nos bolso ;)

linha recta: tchim tchim!

Petroni: curiosa, essa tua perspectiva. no entanto, permite-me que te corrija: era pequenita e de feridas abertas. agora já as lambi devagar, aceitei esse novo mapa na pele. deixei que se fermentasse o sangue, apanhei os cacos e tenho sempre à mão uns belos copázios de tinto... [até à próxima derrapagem].

brinde a todos nós :)