sexta-feira, 17 de agosto de 2007

ventania



saio em reboliço e lá fora o tempo azul brilhante parece de acordo comigo. rebelam-se folhas em círculos, pairam sacos de plástico, o meu cabelo já acompanha a dança. o vento levantou vôo. está a estender-me a mão. são noites brancas, a preparar as asas. tenho medo que estejam enferrujadas, tenho noção do agora ou nunca, entre o desespero de querer fugir e o terror de já não saber como se faz, espero ser forte e conseguir apanhar a próxima rajada. não quero magoar os teus braços com uma nova queda, nem desiludir o vento que me espera. acima de tudo, quero saber que ainda consigo voar.

imagem de Maria Flores e Fernando Figueiredo, resgatada daqui

4 impressões digitais:

nita disse...

Bons voos ;)*

espantaespiritos disse...

feito, feito. bem está... agora é esperar... mas com esperança... :)

=^.^= Tarina =^.^= disse...

É sempre bom voar...
tento fazê-lo sempre..
Mas nem sempre as asas se abrem e as quedas aparecem...
O bom da vida é isso mesmo... cair para depois levantar!
Esperança sempre!
Gpstei de passar por cá!

=^.^=

nuno disse...

http://devoltaoutravez.blogs.sapo.pt/

parece que voltei de viagem e espero ver-te por lá ;) bjs