quarta-feira, 16 de março de 2005

music box

quando o calendário ainda era um cartão engraçado de números pequeninos, e a vida eram pulos entre desenhos de giz no asfalto da praceta, ia pelo corredor escuro até ao quarto de móveis antigos ver dançar a bailarina.
e naquela música pausada de xilofone a que dava corda, abria a tampa do pequeno teatro em que o público eram os anéis da avó.
no espelho dois olhos muito abertos, amendoados, brilhavam tanto como os pechisbeques e pequenas jóias desarrumadas, ao ver dançar aquela figurinha cor-de-rosa, imaginando os tules e tutus que não conhecia, passando depois a imitar a pequena boneca de braços rechonchudos no ar.
ainda lá está, na cómoda escura de um quarto fechado à chave para sempre, a caixa preta que contém os seus primeiros passos de dança.

1 impressões digitais:

Nuno disse...

Obrigado pela presença no conjunto dos mais nadas ;)