quinta-feira, 2 de fevereiro de 2006

esa mujer loca

dos 0 aos 100 numa palavra. na voz, decibeis acima do normal. capacidade para falar muito, discorrer ao pormenor sobre assuntos e abordar de uma forma quase autopsiante cada argumento, unindo-os numa elaborada e completa trama, difícil de acompanhar de tão longa, sempre apresentada num discurso fluido e alterado.
com isto poderia ter ido para direito. ou para a política [then again... no. ergh!]. por parte disto já me perguntaram porque não segui psicologia.
este é, basicamente, um dos meus milhares de defeitos.

por amor sou capaz de me exaltar desta maneira completamente absurda.
sou aguerrida nas coisas de que gosto, nas coisas em que acho que tenho razão, pelo bem dos objectivos que prossigo ou das pessoas que me são especiais.

por esta minha estranha mania de me lançar ao ar "em defesa da causa" [expressão de colher de chá] sou conhecida no sítio a que mais me dediquei e ao qual trouxe [tenho plena consciência] grandes frutos como "esa loca".
a minha forma demasiado apaixonada de defender as pessoas que amo [em todo o seu sentido] dos seus próprios erros [erros no meu ponto de vista, claro] pode inclusive levar as pessoas, depois de uma discussão acesa mas para mim sem danos colaterais, a perguntar-me se ainda gosto delas.
... gosto, se não gostasse simplesmente dizia "pois" e passava à frente...

no entanto, encontro-me mais serena do que alguma vez fui. o copo demora mais a encher. estou menos explosiva. vejo sempre os dois lado da moeda. peso-os, disseco-os [lá vem a autópsia]. normalmente acabo por deixar a minha observação "claro que compreendo. mas posso não concordar?". se não levo a minha avante fico aborrecida, mas lá está... passa-me pouco depois e não me chateio mais com isso. o que se diz numa altura não fica marcado daquela forma trágico-indelével que não me permita ultrapassar com um sorriso. estou sempre à espera das boas notícias, mesmo de gente que à partida não me pareça muito boa onda. não me apercebo imediatamente de que os outros podem ser diferentes e ruminem eternamente no mesmo. a minha boa disposição permite-me estar de bem com todos, deixar que me desiludam muitas vezes. e só perder a fé quando a desilusão atinge aquele único ponto, aquele contorno específico que não sei definir, apenas sentir.

por isso apenas num sítio sigo "la loca". e aí sou "la loca" pero no saben la pena que me da, chicos...

6 impressões digitais:

espanta_espiritos disse...

locas, locos, gajas, gajos, santos antónios, canastrões, possíveis usurpadores do poder, pessoas de má fé, bichas loucas, drogados, más actrizes, maus actores, entre outras e outros.

sendo muito irónico dá vontade de dizer: ainda bem que fomos ostracizados de lá. podiamos ter dado cabo daquilo. assim ficaram os puros e bons. os que dão sem pensar duas vezes. os que trabalham e se esforçam. os que suam sem segundas intenções. entre outras e outros.

(ressalvo que há o refugo e os que carregam... a esses muita merda e pernas partidas... sem ironia... e muito teatral)

macaso disse...

Lindo e essa frase do "...mas posso não concordar?" também já a ouvi. Isso que dizer que estou no grupo dos especiais? eh, eh, eh...

polegar disse...

espanta: inspira, expira... hangloose ;) agora é olhar para a frente, não é? de qualquer das formas, este post era mais sobre o meu mau feitio... pensei que irias discorrer sobre isso LOLOL beijito.

macaso: pois és! ah pois és! beijinho

miak disse...

Um segundo para respirar...

Ufa que és demais. E eu adoro.

colher de chá disse...

"em defesa da causa" foi assim que conheci a polegar. será sempre também assim que toda a gente a vai conhecer. e é essa a grande qualidade que lhe admiro (entre outras igualmente grandes ) e que me faz ter pena de às vezes não lhe roubar um bocadinho dessa característica para mim. porque me falta o arquejo, me falta talvez a personalidade. fico-me pelo refugo, pela solidão desconfortável de não vos ter por lá e a certeza de continuar a fazer, e a fazer... e a dar, e a dar... vou ser sempre assim. ou pelo menos durante mais algum tempo. és a minha "loca", e que bom. não é mau feitio minha querida. é coragem.

polegar disse...

colherzinha: não te subvalorizes... és especial e sabe-lo. e quando é preciso, sei dos olhares de que és capaz ;) às vezes basta isso... se calhar abrir a boca é que é demais...