quarta-feira, 27 de abril de 2005

contra-luz

respira fundo. o peito pequeno sobe e desce com calma. controla o ar até o coração amansar.
o seu corpo levanta-se da cadeira, indiferente ao escuro, ao frio.
está num espaço vazio, anónimo e intemporal. continua de olhos fechados e, na sua cabeça, o ritmo da respiração traz-lhe uma música.
deixa a cabeça deslizar para trás. levemente, avança um passo, depois outro. as ancas balançam. os braços levantam-se, e apanham as notas perdidas no ar. roda. roda. roda. salta e envolve o ar e o ar envolve-a.

[ms]
perde a noção do tempo. perde a noção.
já se descalçou, a camisola descaiu, revelando o ombro nu. os cabelos voam no ar despenteados e suados. não interessa.
abraça essa música que lhe chega sussurrada entre os estalidos da madeira. frenética, perde o controlo. agora não.

há-de acordar. arfante, desorientada. e ouvir os carros a passar.

9 impressões digitais:

O Estranho disse...

Para que se perceba bem: ADOREI este texto! Deve ser bom sentir-se livre de tudo e simplesmente dançar...

Ni disse...

não tenho dúvidas. os "artistas" sentem a vida pulsar de uma maneira diferente. tu és uma e só vens comprová-lo. é tudo muito físico e, ao mesmo tempo, o físico está directamente ligado à alma ou ao espírito (chamem-lhe o que quiserem). Quem me dera sentir assim...
Como dizem os Blur: "I can't feel cos I'm numb"
By the way, a fotografia está lindissima.

polegar disse...

comentários que aquecem a alma... obrigada aos dois.
Estranho: é muito bom, mas sabes que mais? é mais simples do que imaginas. é fechar os olhos ao mundo, ligar a música [ou não] e deixar ir... tens é de te esquecer um bocado da auto-crítica ;)
ni: artista, artista... quer dizer, bolas... tou corada... para sentir assim não há receita, é só abrir a alma. mas confesso que às vezes tb... "I feel numb" [U2]...

Ni disse...

Sabes o que me faz perder o controlo? "Apanhar" uma onda bem grande, daquelas em que tu entras e não tens a certeza do que te vai acontecer a seguir porque - exactamente - o controlo da situação deixou de ser teu.
E durante uns segundos deixar o teu corpo deslizar naquela massa com vida própria e sabes - e esperas - que te vai cair em cima. E quando finalmente isso acontece sentes vivo.
Se voltar a encarnar quero ser golfinho.

polegar disse...

compreendo-te. gosto muito de água e ondas. na praia gosto mais de estar de molho que a torrar ao sol. nunca fiz surf nem nada, mas chapinho muito ;) e adoro golfinhos. quando toquei num, chorei... há malucos para tudo, né?

Ni disse...

Eu também nunca fiz surf, not really, anyway.
Chapinhas? Tenho que te ensinar a nadar :D
Caramba! Gosto mesmo da foto de baixo!
Onde é que íamos? Ah, sim! Os golfinhos. Maluca? Não me parece. Parece-me o único animal com uma consciência absoluta. Não sei explicar. Os olhos deles transmitem paz. Infelizmente nunca toquei em nenhum.

Nuno disse...

Existem textos que se sentem, que nos fazem viver nessa realidade imaginada...este é um deles!!!

polegar disse...

nadar e dançar são coisas que faço desde miúda... dizia chapinho como um termo carinhoso e infantil da minha relação com a água, onde adoro alhear-me do mundo. só eu e as ondas. já eprcebi que me compreendes. anyway... a foto é do filme ;)
e espero que um dia consigas tocar num golfinho. é maravilhoso.

polegar disse...

nuno: obrigada... é bom partilhar.