sexta-feira, 8 de abril de 2005

vazio

há dias em que se senta, só. parada, amorfa. sem vontade nem contexto. o dia passa sem conseguir contactar o mundo, sem saber bem onde pode fazê-lo nem onde arranjar forças para o conseguir. ouve lá ao longe as vozes e sussurros mansos de algo. não sabe se é dali se é de além.
paraliza porque sim. porque não vai mais que ali. e espera que um desses sons a puxe pelos cabelos. como água a fluir a toda a volta, que lhe retire o peso da cabeça. que lhe desça pela pele, enroscando-a no conforto de um contacto físico, tão sequiosa que está num espaço tão aberto e sem nada.
e depois flutuar. elevar-se, ser levada. numa paz que lhe traga de novo os sentidos adormecidos.

0 impressões digitais: