quarta-feira, 13 de abril de 2005

estreia vip

ontem fizemos uma sessão especial desta nossa peça, para uma plateia vip.
em colaboração com a Associação dos Amigos de D. Pedro e D. Inês, convocámos ilustres da nossa praça, que [pasme-se] atenderam ao chamamento. estava lá a comunicação social... principalmente revistas de sociedade, porque reportagens de tv e jornais que é bom, nada...
as Castros retocaram as raízes, chegámos todos mais cedo para fazer tudo com calma.

o técnico de som [se assim se pode chamar àquela espécie rara de amiba] passou a tarde toda a brincar com o sistema de som. as colunas não são boas e ele consegue "bring out the worst" do sistema. estourando paredes e ouvidos, agudos e graves, passámos a tarde a ouvir as belas musiquitas da peça, com as quais já não podemos.
de repente, coisa inesperada, não é?, risca-se o cd! lá vem a amiba, calmamente, da casa de banho, 5 minutos depois, [e nós a ouvir o tóin-óin-óin repetitivo, já antevendo uma Castro remix] e desata a correr para o computador para gravar um novo cd. ficaram por imprimir etiquetas que identificariam as fotos dos actores expostas à entrada... também, não há tinteiro preto há mais de um mês.

há uns tempos uma colega nossa recolheu uma cadela abandonada. foi adoptada pela amiba que opera o som e serve os cafés no bar da entrada. chama-se... Castro... faz chichi na alcatifa da sala de espera, e atravessa o palco quando lhe dá na veneta par vir pedir festas ao elenco. detesta ficar sozinha.
com uma plateia de vips, não convinha a Castro ficar deitadinha num recanto do bar, dava mau aspecto. a amiba da luz resolveu fechá-la na cabine técnica. a meia hora do espectáculo, a cadela, que detesta estar sozinha, uivava desesperada. com a sala de espera cheia de gente... e o encenador, já meio maquilhado, gritava que matassem a gaita da cadela. e a amiba servia cafés e não se mexia...

plateia cheia, tudo pronto, começa o espectáculo...
e que espectáculo!
estou deitadita para a primeira cena, e começa a música. e a luz não acende. a mesa de luz foi ao ar... é que esta amiba [em total oposição à outra, que rebenta com as colunas com desvelo] não testou a mesa, ocupado que estava em facturar. fizemos todo o espectáculo com metade das luzes, intensidade duvidosa...

o senhor encenador, que também entra no espectáculo, resolveu dar o exemplo de todas as aulas que nos dá acerca ética profissional e trabalho de equipa: quando chegou à cena dele, não cumpriu as marcações para não ficar na sombra. e ficou bem no centro do único recorte de luz disponível, fazendo com que o resto do elenco que contracena com ele ficasse na sombra e lá permanecesse [ou isso ou empurrá-lo para fora da luz, o que não seria agradável... é que ele é o Rei...].

eis senão quando, já saídos todos daquela cena, em ficando o senhor para fazer o seu monólogo, a amiba do som [que gosta de novelas] resolveu que a música de fundo estava muito baixa. e subiu o volume, como é seu costume, obrigando o nosso querido Rei a fazer a cena toda aos gritos... deus é grande, dizia-se nos camarins... e a amiba também...

resolvi vingar os meus colegas. na minha cena com el Re, açambarquei a luz toda para mim, obrigando-o a ginasticar-se para... como se diz... partilhar! é isso!

bem, findo o espectáculo, agradecimentos, preparamo-nos para sair... e o senhor encenador resolve ficar no meio do palco e fazer um discurso. ai... o elenco vê-se forçado a voltar ao palco e ficar ali a servir de moldura ao ponto mais baixo da noite. é que o senhor não se contém e adora fazer a cena do desgraçadinho. e aproveitou que tinha lá os senhores influentes e voltou a falar no tema tabu... el subsídio! (leia-se sussídio) e, jeitoso com as palavras como é, disse as coisas de tal maneira que o senhor ministro [ou o assessor, ou lá o que é] saiu zangadíssimo no fim a pensar que lhe tinham armado uma cabala para o envergonhar em público.
além do mais, o nosso queridíssimo director artístico parecia surdo ao comportamento do público, que se revolvia nas cadeiras e bufava de impaciência com o arrastar dos agradecimentos jocosos e da conversa d' el sussídio. tive de lhe fazer uma festinha no braço, e no meu melhor sorriso 33, a deitar chispas pelos olhos, dizer-lhe que teria de terminar.

saímos para socializar porque tinha de ser. a vontade era ficar nos camarins até os vips dispersarem, e desejar que aquela noite não tivesse acontecido.

ora eis senão quando vejo uma senhora sorridente a dirigir-se a mim com ar de quem me vai falar... uma pessoa que pessoalmente me desagrada por completo...
e o ponto alto da minha noite foi uma conversa simpatiquíssima, chiquérrima, com a Bobone, a cobrir-me de elogios...

ainda estive para lhe perguntar se queria combinar um cházinho na Suíça...

6 impressões digitais:

O Estranho disse...

Não pode ser! A Bobone falou consigo?! Ai que máximo! Que giro! Estô supé-excitado! E a menina sentiu-se bem? Estava chique? Deu-lhe 2 ou 3 estalos ou teve medo que a mão ficasse presa na maquilhagem?
Hum... que recomendações terá o "Socialmente correcto" para quando se leva uma estalada em público?

polegar disse...

ah pois, tá a ver? isto é o máximo da minha ascensão social!! daqui para a frente nunca se sabe... talvez me telefone a VIP ou a CARAS para fazer uma reportagem... "Fui tocada pela Bobona" perdão, Bobone... Sabes o q me irritou mais? é que ela gostou mesmo muito do meu trabalho (e a mim, que nunguém conhece de lado nenhum, não tinha de fazer favores, muito menos atravessar o bar para me vir falar... e eu a pensar nela a dizer que a Suíça era de gente bimba, que as crianças têm mais é de comer na cozinha, e que a mala tem de fazer pandã com os sapatos!

O Estranho disse...

Olha, não faço a mínima ideia do que significa fazer pandã com os sapatos, mas se realmente gostou e elogiou o teu trabalho sem ser por obrigação de manter as aparÊncias, então se calhar o trabalho até tem qualidade!

polegar disse...

pois, espero que sim... ;) se quiseres, um dia aparece lá e depois conta-me o que achaste... ah! eu sou a de vermelho, para que não haja enganos eheheh

O Estranho disse...

Eu até ia (a curiosidade é cada vez maior) mas acho que neste momento é impossível... Se estivesse previsto um espectaculozinho no Porto, seria óptimo! Até ia com o Senhor Nuno Gomes, o gestor de Recursos Humanos... ;)

polegar disse...

:( não há sussídio para passeios... tens mesmo de vir cá tu... se te deres a esse trabalho, tens convite, boa?