quinta-feira, 21 de abril de 2005

verduras

percorria eu a R. da Escola Politécnica, e deparo-me com três coisas verdes com pernas e bonés.
e questiono:
mas quem raio é que se candidata a funcionário da EMEL???
só podem viver noutro planeta à parte.
ninguém que conheça o drama de quem precisa de trazer o carro para Lisboa (já sem falar dos pobrezinhos que vêm das Amoreiras para o Rato ou de Telheiras para o Rossio e precisam de deixar o BM à porta do escritório porque não cabe no hall de entrada) colabora nestas coisas!
andam o dia todo a pé, a imprimir papelinhos.
fazem o trabalho sujo da polícia mas não podem usar um pau, se se forem agredidos.
rogam-lhes pragas, são ameaçados de sodomia diariamente, têm de andar aos grupinhos por causa das coisas...
... e usam aqueles fatinhos verde-couve, de calças justas, que fazem o rabinho mais amaricado possível...

6 impressões digitais:

Anónimo disse...

Escreves com muita piada e ironia, mas para responder á tua pergunta: há quem tenha de trabalhar para puder comer!

graimet disse...

... E, provavelmente, precisam de trabalhar! Terás pensado nisso? Há profissões bem mais abjectas. Esta tornar-se-ia desnecessária se houvesse algum civismo nos condutores portugueses...
Pensa nisto: provavelmente ninguém escolheria ser cangalheiro se pudesse ser outra coisa qualquer... Eu não gosto deles, mas também tento não os hostilizar...

Ni disse...

Usar uma farda de homem do lixo - isso sim - é de homem! É um trabalho imprescíndivel para a sociedade.
A EMEL é só mais uma empresa parasita, mais um imposto disfarçado. Não pactuo com essa (nem nenhuma outra) espécie de arrumadores.
E, sim. A farda é, no mínimo, ridícula!

Anónimo disse...

eh láaa! anónimo e g.: claro q louvo muito o trabalho, qualquer q ele seja. também eu já tive de fazer umas coisas menos "fashion" para ter uns trocos! mas não deixo de achar piada ao estigma dos verdurinhas!
ni: é verdade q é mais uma sanguessuga, mas não houvesse falta de civismo e excesso de umbilicalismo e era menos uma desculpa para nos andarem a chular, né? além disso, os empregados não têm culpa da fominha dos patrões, e a crise é a crise... hoje em dia já é uma sorte ter emprego...
beijos a todos
polegar

O Estranho disse...

sim, sem qualquer sombra de dúvida que o pior de se trabalhar para a EMEL são as calças que deixam o rabinho amaricado. Se calhar é por isso que eles estão sempre a receber ameaças de sodomia! Pior do que isso, se calhar só vão para a EMEL para serem sodomizados! Como dizes, a culpa é da crise!
;)

Anónimo disse...

cambada de inuteis, vocês de certo têm todos empregos em que as calças não deixam marcas de dúvidas quanto à vossa masculinidade, e vocês suas putas, passam a vida a usar decotes em forma de roupa, só para serem papadas pelos vossos patrões