sexta-feira, 11 de novembro de 2005

dois teclados #2

Regressaste numa manhã de nevoeiro. Parece pateta mas foi verdade, era inverno e era manhã e estava frio e chegaste leve e sorridente como te recordava, voltaste a ser a boneca apaixonada por quem todos os homens do mundo se deixavam aprisionar se te vissem sorrir. Quando o peso saiu dos teus ombros voltaste a pular sobre as nuvens e sorriste e voltaste a ser feliz. E lembrei-me daquele primeiro instante, um café roubado ao teu horário de trabalho, um cafézinho roubado ao fim de tarde num jardim da cidade, e aqueles primeiros sorrisos trocados, o teu rosto era mesmo mágico, soube logo ali.
|NC|
És tramado, tu. Nessa cara de menino sacana, de olhos inteligentes, a percorrerem-me por dentro como se não fosse boa educação perguntar antes de entrar. Aliás, fazes tudo sem perguntar, não é? Assim me raptaste pela primeira vez do bulício das contabilidades de fim de data de entrega de IRS. Não se faz. Mas tu fazes tão bem… “Estou cá fora. Desce que preciso de cafeína contigo”. Senti-me trapalhona, desengonçada, mal arranjada, um pouco irritada com o descaramento, e indefesa. Estupidamente indefesa. Mas defendi-me com a única arma que tenho e desci de sorriso em riste. Hoje tenho frio. E estou de arma na mão outra vez. Não sei o que esperar.
|P|
Agora voltaste voltaste segura, desta vez sabias ao que vinhas. O sorriso era o mesmo, imensamente acolhedor e bonito, mas desta vez não era uma máscara, era verdadeiro como o frio que entrava pela janela meio aberta. O fumo do cigarro embrulhava-se no ar sombrio do fim de tarde e enquanto contavas histórias engraçadas dos bastidores bebia o martini com gelo até ao fim. Eu ouvia, meio distraído como sempre, espreitava as pessoas e os pássaros e as cores e a noite que caía e ficava embriagado contigo.
|NC|
Miras-me assim, e parece que sim. Parece que tudo o que aconteceu antes não tem significado. Que agora sim, é o tempo e o espaço. Que houve apenas um desencontro dos fusos horários das almas, antes. E sabes que mais? Ou estou curada ou não quero saber do que nos fizemos. Porque agora, que podia dizer-te muita coisa, lembro-me apenas de que a tua pele sempre me soube bem, e de que a forma como ondulavas as mãos no meu corpo me faziam sentir mais mulher. E olho-te. Absorves as minhas parvoíces que preenchem os silêncios, interessado, entusiasmado com essa parte de mim. E as outras? Ao que vens? Porque eu estou aqui completa. Sei o que quero. E estou aqui. Mais não faço.
|P|
Acertamos os relógios e partilhamos tudo outra vez, desta vez verdadeiro. Lá fora há um candeeiro sozinho a iluminar a rua toda, é a única certeza que tenho neste momento e sei porque acabo de espreitar a janela, tu estás ainda escondida pelos lençóis, é cedo, demasiado cedo para o dia nascer, mas fico acordado a olhar para as curvas douradas da pele descoberta (é inverno mas a noite é quente), estou acordado e antes que volte a adormecer, com os braços a embrulhar-te inteira para mim, antes que volte a cerrar os olhos e a navegar na névoa dos sonhos, miro-te uma vez mais, beijo-te de mansinho (não acordes, bébé, não acordes) e sei que duas pessoas abraçadas é tudo o que existe, é quase palerma, é cor de rosa e é bonito e inocente como a madrugada que quer despertar, são cinco da manhã, até logo, até mais daqui a pouco, não te percas no sono, desperta-me com beijos.
|NC|
voltamos ao passado com a doçura do presente. envolve-me nesse calor e não me deixes ir. os relógios podem cantar. agora não me importo. nunca te esqueças. perdeste-me e ganhaste-me de novo. não jogues mais. absorve-me como se dá uma passa lenta num cigarro. não apagues. fecha a janela, o nevoeiro está a entrar e cobre-nos de geada. os dias são longos, mesmo no inverno. são assim porque os queremos. neste vício quente da nicotina quero acordar para me viciar um pouco mais no inconsciente do viver-te. bom dia.
|P|

texto partilhado por polegar e Nuno Catarino

11 impressões digitais:

macaso disse...

A P és tu? Podemos dramatizar isso? E o Nc? É a P a responder no lugar do outro? A técnica mais difícil do psicodrama é a troca de papéis, é o responder, não como nós gostaríamos que o outro nos respondesse mas como se realmente, ao responder, fossemos o outro. É ver a vida através dos olhos do outro, já dizia Moreno. Uma forma de regressão é a hipnose, mas é uma regressão que só vai até a esta vida. Vidas passadas já é outra coisa, mais do campo da para-psicologia, ou do espiritismo. Beijo

zé das misturas disse...

Ah, o relógio da sedução que nem sempre está a horas! Ah, o travão-de-mão do amor que nem sempre funciona quando queremos. Todos os mecanismos imprevisíveis do amor...ou pelo menos da tesão...Ah, quanta saudade!

colher de chá disse...

Uma vez disseram-me q a vida faz-se de "timings". Q td depende da precisão do tempo. Q umas vezes acerta na pontualidade e que outras, falha por meros segundos. Mas q sobretudo, todos as "chegadas a horas" e todos os atrasos, estavam destinados a isso mesmo. Ser o q são. E q nada acontece ao acaso.

Será?
Confesso q gostava q assim fosse.

Daniel Aladiah disse...

Querida polegar
Belo "diálogo" de situações. As tais que vale a pena recordar...
Um beijo
Daniel

Jorge disse...

E reconhecerem-se através do novoeiro em fumo.

polegar disse...

macaso: a P sou eu, NC é o Nuno Catarino de A forma do Jazz, Alquimia submersa, Chá de Magnólia (disponíveis aí ao lado) o mac não me deixa fazer links porque não disponibiliza os botões e eu não consigo decorar os atalhos ehehe... é daquela escrita que escorre das mãos de um para as do outro. no entanto neste caso sem dupla personalidade. não deixa de ser terapia. a ficção pode ser bastante terapêutica. apenas ver onde vai dar...
quanto á regressão, sei que a nível "científico-politicamente-correcto" não se pode fazer regressão a vidas passadas... aí teria que contactar o pessoal do reiki eheheh...
zé: porque não revivê-los...?
colherzinha: a eterna dúvida do destino... a fé é uma coisa estranha. mesmo aquela sem religião. precisamos dela. de uma coisa tenho certeza: tens uma alma maravilhosa à tua espera...
daniel: um beijo
e.a.: no nevoeiro talvez tenham encontrado a capa fina para os rostos que lhes permitisse abrir as almas...

macaso disse...

Grata pela informação. Assim vou conhecendo um bocadinho melhor com quem estou. Continuo com este terrível vício da curiosidade. Mas é um curiosidade saudável.
Eu não quero parecer que sou contra as terapias mais alternativas. Simplesmente conheço pouco e prefiro não me manifestar. Sou mais a favor do psicodrama e da arte-terapia...

pinky disse...

maravilhoso texto.
muito realista, intimista e quente.
muito bonito, gostei muito.
gracias.

felisbela disse...

Desenho rabiscos de sorrisos na folha do tempo longo onde nos atropelamos. Risco, apago, volto a riscar. Não mudo de folha. Risco movimentos que o pulso já sabe de cor e mesmo assim não acerto a vontade. Liberto-me muito devagarinho. Todos temos os nossos fantasmas.
Passa o tempo, o meu diferente do teu, o meu atrás do teu e o teu a correr atrás do meu. Faço mais um rabisco na folha marcada. Passa o tempo onde apertamos as mãos e depois viramos as costas, onde nos amamos e odiamos à luz de desejos ardentes. O tempo pára, pára num beijo para nos espiar, anda confuso com estas aritmias todas. Se bebermos mais cafeína aceleramos os minutos, mas eu gosto de queimar o cigarro sem tempo.
Desenho num gesto mais solto, menos pesado, e o sorriso parece mais meu. Não posso apagar mais senão rasgo a folha e não quero arrancar-te assim da minha vida, embrulhar-te no meio de tanta confusão e fazer pontaria para o lugar onde se guardam para sempre as coisas que não voltam mais.
Eu voltei, talvez com menos medos. Tu também voltaste ao fundo das escadas que desço sempre a correr no desalinho todo do sair de casa e bater com a porta e voltar a entrar porque me esqueci de qualquer coisa ou talvez não, é só este nervoso miudinho que vem a galope no coração que bate mais que todos os relógios e que nunca quer saber do tempo, dos minutos nem das horas. Sorri para mim e eu dou-te o meu sorriso intemporal pintado a aguarelas. Olá!

...apeteceu-me teclar também... beijitos para os dois!

polegar disse...

pinky: thanx!

felisbela: depois desta pergunto-me: PARASTE DE ESCREVER PORQUÊ? fazias melhor serviço que eu! vá, toca a mexer o dedo!

felisbela disse...

:) pode ser que volte em breve a estas lides!