quarta-feira, 2 de novembro de 2005

pao por deeeeus

santa terrinha, 9 da manhã. tudo calmo. a luz entra preguiçosa por entre as portadas, o mundo parado debaixo do edredon azul, no borralho quente do corpo descansado, imerso nos sonhos sem sonhos de que a cabeça precisa, e que dure muitas horas para recuperar.

blém blém blém
tocam à sineta do portão (o meu pai gosta de coisas rústicas...) e um coro de vozes novinhas novinhas a estrear grita:
- pão por deeeeeeeus
silêncio. dentro do edredon o primeiro movimento. lento, atabalhoado, mas irritado. rezando para que este ano haja, de facto, alguém em casa, que vá à porta antes de os miúdos voltarem a to...
blém blém blém
- pão por deeeeeeeus
não, outra vez não. este feriado é maldito. é sim senhor. cabeça para debaixo da almofada, edredon até ao nariz.
trrrriiiiiim trrrrimmmm
- pão por deeeeeeeus
mudaram de estratégia. foram ao outro portão, que tem campainha normal. (sim, é rústico, o badalo, mas não se ouve na casa toda). oh não. sei perfeitamente o que vai acontecer. como ninguém aparece vão deixar o dedo na camp...
trrrrrrrrrriiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiimmmmmmmmmmmmm
raispartafilhadamãedosputosmaisoestaporquinventouestaporcariadeferiado
- pão por deeeeeeeus
o meu avô ajuda à feira e toca à campainha interna que usa para chamar a minha mãe (e restantes servos).

silêncio. desistiram. aaah. hmmm. mas, mas, mas... os meus olhos. não querem fechar! oh não! a insónia matinal não!
acender tv, pode ser que me embale.
missa ou clube das chaves.
dasse.
levanto-me e enrolo-me num casaco quente. estupor de quarto frio, o meu.
vou até à sala. daí a pouco, com a chávena de café na mão, vejo chegar os meus pais.
- tocaram uns miúdos. não me consegui levantar, desculpem.
- ah, deixa estar, já passaram por nós e já dissemos para volt...
trrrrriiiiiimmm
- pão por deeeeeeeus
já é mecânico. o meu pai sai, casaco em banda, perguntando alto
- quantos são?
vou à mesa de jantar.
ele grita para dentro.
- são sete
oh well...
conto seis saquinhos que já estão preparados. tiro outro do rolo, abro e recheio. três rebuçados às cores, dois chocolates em miniatura, uma pastilha.
o meu pai volta, o mesmo sorriso de leste a oeste que me deu no código genético. dou-lhe os saquinhos
- este ano vêm em alcateias, bolas! eheheheh

desde que vim morar para aqui é assim. a palavra espalha-se. de geração em geração. aqui há saquinhos às cores. aquelas cores que fazem mal aos dentes mas sarapintam os rostos de alegrias gulosas. e o senhor grande das barbas abre o portão a rir, com as mesmas sarapintas nos olhos que eles, e deixa fazer uma festa na cadela grande e gorda.

sem religião.

dantes, quando os tempos eram outros, fazíamos noitadas a preparar os "treats" rodeados de caixotes de chocolates e gomas. até separávamos umas moedas em montinhos.

agora o senhor das barbas coxeia um bocado, e os saquinhos são mais pequenos.
mas há sempre doces e um sorriso.

3 impressões digitais:

Anónimo disse...

Para não variar passei por vários estágios emocionais ao ler este texto!

És linda, tal como os restantes habitantes do casarão cor-de-rosa!

Ah, e o coxear, só acrescenta mais uma dose de charme e misssstéeeeeerio!

Beijos GRANDES, B.

miak disse...

Sei que dormi até às 14h no feriado...
Sei que também devias de precisar...
Sei o que custa uma campainha teimosa...
Sei isso tudo...

Mas mesmo assim...pareceu-me tudo tão certo.

Jorge disse...

E o pão-por-deus antigamente era no dia da espiga, 5ª feira da ascenção...